sexta-feira, 30 de julho de 2010

Dominique Cottrez

Dominique Cottrez, nascida em 1955, é uma francesa suspeita de matar seus oito filhos recém-nascidos que foi indiciada em 29 de Julho de 2010. Ela reconheceu ser a mãe dos bebês, cujos corpos foram encontrados nos últimos dias em dois locais distintos no vilarejo de Villers-au-Tertre, no norte da França. Ela também admitiu ter sufocado os oito recém-nascidos, disse o procurador de Douai, Éric Vaillant. Ela afirmou que não queria mais ter filhos e disse que não queria consultar um médico para utilizar meios contraceptivos, afirmou o procurador. A mãe afirmou durante os interrogatórios que o marido não estava a par das gestações. Os crimes, segundo os primeiros elementos da investigação, teriam sido cometidos entre 1989 e 2006. Segundo o procurador, somente as autópsias revelarão as datas exatas do nascimento dos bebês. Esse pode ser o maior caso de infanticídio na França, de acordo com a imprensa do país. A mãe foi indiciada por homicídio voluntário cometido contra menor de idade, segundo a Procuradoria de Douai, no norte da França. Ela pode ser condenada à prisão perpétua. O pai, Pierre-Marie Cottrez, de 47 anos, vereador da câmara municipal do vilarejo de 700 habitantes, poderá ainda ser indiciado por não ter denunciado os crimes e por posse de cadáveres, afirmou o procurador. A procuradoria de Douai solicitou a detenção provisória da mãe e a libertação do pai. O excesso de peso da mãe, que trabalha como auxiliar de enfermagem teria contribuído para dissimular a gravidez. Ela teria cerca de 130 kg, segundo a imprensa francesa. O casal tem duas filhas que têm cerca de 20 anos e também moram no vilarejo. As mortes foram descobertas quando os novos proprietários de uma casa em Villers-au-Tertre faziam obras no jardim para construir um lago e encontraram dois esqueletos embalados em sacos plásticos enterrados no local. Eles alertaram a polícia, que localizou os antigos moradores do local, Dominique e Marie-Pierre Cottrez. A casa pertencia à família da mãe dos bebês. Os outros seis corpos foram encontrados na garagem da nova residência do casal, situada a apenas 1 km da primeira onde foram descobertos os dois esqueletos. A polícia utilizou cães farejadores para localizar os corpos dos bebês. As operações de buscas foram realizadas até a noite de quarta-feira, 28 de julho de 2010. O caso, revelado à imprensa apenas na quarta-feira, chocou a França, sobretudo os moradores do pequeno e calmo vilarejo de Villers-au-Tertre. O casal é descrito pelos moradores como pessoas "comuns, solícitas e educadas, que não indicavam nenhum comportamento anormal". Outros casos de infantícidio abalaram recentemente a França. Os casos de Véronique Courjault e Céline Lesage recentemente chocaram a mídia francesa. Reportagem 1 Reportagem 2

domingo, 18 de julho de 2010

Altemio Sanchez

Altemio Sanchez é um serial killer americano que matou pelo menos três mulheres e estuprou pelo menos 14 pessoas nas proximidades de Buffalo, Nova York, durante um período de 25 anos (1981 a 2006). Ele também é conhecido como “The Bike Path Rapist” (“O Estuprador da Ciclovia”). Suas vítimas foram: Linda Yalem, de 22 anos, uma estudante do segundo ano na Universidade de Buffalo, que foi morta em 29 de Setembro de 1990; Majane Mazur, de 32 anos, desapareceu um dia antes do Halloween em 1992, tinha uma filha de 5 anos, se prostituía para manter seu vício em crack, foi encontrada morta em novembro do mesmo ano e Joan Diver, de 45 anos, casada com Steve Diver, mãe de 4 filhos e ligada a um grupo de escoteiros, foi assassinada em 29 de Setembro de 2006, o corpo foi encontrado na ciclovia de Clarence em Newstead, New York em 01 de outubro de 2006, perto de um lugar onde ela costumava fazer exercicios. O assassino recebeu o apelido porque muitos de seus crimes ocorreram perto de ciclovias isoladas. Em 16 de Maio de 2007, Sanchez declarou-se culpado dos assassinatos de Linda Yalem, Majane Mazur, e Joan Diver. Em 15 de janeiro de 2007, uma força-tarefa da polícia no condado de Erie, Nova York, prendeu Sanchez como acusado pelos assassinatos. Em Janeiro de 2007, um júri do condado de Erie decidiu indiciar Sanchez pelos assassinatos de Yalem e Mazur. A polícia disse que o DNA encontrado na cena de oito crimes batia com o DNA de Sanchez obtido após sua prisão. Diver foi a única das vítimas que não foi estuprada. Acredita-se que ela morreu durante o estrangulamento antes que Sanchez pudesse estuprá-la. Muitos dos estupros atribuídos a Sanchez foram julgados não procedentes devido ao estatuto de limitações de acusação de estupro, que estava em vigor em Nova York na época que os crimes foram cometidos. Ele também é suspeito em uma investigação em curso de um assassinato de uma menina de 15 anos de idade em 1985. Em 15 de agosto de 2007, Sanchez foi condenado a 75 anos de prisão. Ele está cumprindo no Clinton Correctional Facility, ele pode ser transferido para uma unidade mais próxima de sua família, se ele confessar a autoria de seus crimes cometidos. O DNA o ligou a aproximadamente 25 agressões sexuais desde 1975. Em março de 2007, Anthony Capozzi foi libertado da prisão estadual depois de servir 22 anos por dois estupros com similar modus operandi. Após a prisão de Sanchez, os investigadores perceberam que os crimes foram semelhantes, ocorreram na mesma área e que Sanchez e Capozzi eram muito semelhantes entre si no momento em que os crimes foram cometidos. Uma amostra de DNA de Sanchez o ligou às violações de Capozzi, que tinha sido condenado em 1985. Capozzi era inocente e havia sido negado a ele até mesmo o direito a liberdade condicional. Capozzi, que é esquizofrênico, e seu advogado deram entrada em um processo civil exigindo US $ 4,25 milhões. Recentemente, o deputado estadual Sam Hoyt e o senador estadual Dale Volker introduziram um artigo na legislação que acelerou tal processo. Esta lei é conhecida como a Lei de Anthony. Acredita-se que uma pista arquivada no caso Capozzi levou à detenção de Sanchez. Um detetive que olhava para os arquivos do caso encontrou um relatório de uma mulher que havia sido estuprada, em 1981. Quase dois anos depois, ela disse à polícia que viu o homem que havia a estuprado dirigindo em um local de estacionamento na zona comercial e ela anotou o número da placa. Quando os detetives entrevistaram o dono do carro, ele forneceu um álibi sólido para que não fosse acusado de estupro. No entanto, cerca de vinte e cinco anos depois, ele foi novamente localizado pela força-tarefa e admitiu que naquele dia ele não estava dirigindo o carro. Ele havia emprestado para seu sobrinho, Altemio Sanchez. Reportagem Julgamento

O livro Bike Path Rapist: A Cop's Firsthand Account of Catching the Killer Who Terrorized a Community de Jeff Schober e Dennis Delano se baseia nesses acontecimentos.

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Francisco Garcia Escalero

Francisco Garcia Escalero, nascido em 24 de maio de 1954 em Madrid, Espanha, é um mendigo espanhol serial killer que matou 11 pessoas entre 1987 e 1994. Além disso, Escalero praticava necrofilia e canibalismo. Escalero foi um garoto doente e estranho que recebeu uma educação deficiente e pobre. Quando era menino ele gostava de passear pelo cemitério. Seu pai o odiava e o batia constantemente. Aos 16 anos, Escalero foi confinado em um hospital psiquiátrico e para "sobreviver" ele cometeu muitos roubos. Ele se masturbava olhando para mulheres casadas e as imaginando nuas. Em 1973, ele ficou confinado em um reformatório após roubar uma moto e foi libertado em 1975, quando cometeu seu primeiro crime grave, quando ele estuprou uma menina com seus amigos. Escalero estuprou a menina na frente de seu namorado. Ele foi preso e condenado a uma pena de 12 anos de prisão. Quando ele foi finalmente solto em 1984, ele estava desempregado e começou sua carreira como mendigo. Ele gostava de beber álcool misturado com comprimidos, por isso, às vezes, ele apresentava um comportamento agressivo violento. Além disso, ele sofria alucinações que o impulsionavam a matar. Perturbado pelas "vozes", Francisco começou sua carreira de assassinatos quando matou a prostituta Paula Martínez, em agosto de 1987. Escalero a decapitou e depois a queimou. Em março de 1988 Escalero matou um mendigo chamado Juan. Escalero o esfaqueou antes de esmagar sua cabeça com uma pedra. Meses depois, outro mendigo foi encontrado morto e carbonizado. Escalero continuou matando muito mais pessoas, praticando atos de necrofilia e canibalismo, assaltando cemitérios e roubando muitos corpos para ter relações sexuais com eles. Em março de 1989, um mendigo chamado Ángel foi encontrado morto, decapitado e sem os dedos. Em maio de 1989, outro mendigo chamado Julio foi encontrado morto esfaqueado, sem o seu pênis e queimado. Em 1994, a polícia foi alertada por um hospital psiquiátrico que dois homens haviam escapado. Os homens eram Francisco Garcia Escalero e seu amigo Víctor Luis Criado. Ambos estavam bêbados. Dois dias depois, a polícia encontrou Victor Luis Criado morto com o seu crânio esmagado e queimado. Durante o inquérito policial, Escalero tentou suicídio na rua, mas apenas fraturou uma perna. No hopital, ele confessou o assassinato e pediu à enfermeira para ser preso. Francisco Garcia Escalero foi finalmente preso em abril de 1994. Escalero foi a julgamento em fevereiro de 1995, mas foi declarado insano com um grave transtorno mental causado por seu alcoolismo e sua esquizofrenia e foi confinado em um hospital psiquiátrico. Hoje ele é considerado uma pessoa perigosa, completamente insano e com uma terrível desordem mental . Biografia Parte 1 Parte 2

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Steven Grieveson

Steven John Grieveson nascido em 1970 é assassino em série inglês, também conhecido como o “Sunderland Stranger” (Estrangulador de Sunderland), que foi condenado em 28 de Fevereiro de 1996, pelos assassinatos de três adolescentes na cidade de Sunderland, Tyne and Wear entre 1993 e 1994. Foi verificado em seu julgamento que Grieveson assassinou os meninos a fim de esconder sua homossexualidade. Logo depois foi condenado a cumprir pelo menos 35 anos pelos três assassinatos. Em 26 de novembro de 1993 Grieveson assassinou Thomas Kelly, de 18 anos, em um galpão abandonado situado em Fulwell, Sunderland. Em 4 de fevereiro de 1994, ele assassinou David Hanson, de 15 anos, em Roker Terrace, e por último ele assassinou David Grieff, também de 15 anos, em 25 de fevereiro de 1994 perto de Fulwell em Sunderland. Todas as suas vítimas foram estranguladas e queimadas. No assassinato de Thomas Kelly sua impressão digital foi encontrada nas costas da vítima, no caso de David Hanson, a impressão estava em seu sapato. No corpo de David Grieff foi encontrado sêmen, revelando que houve estupro. Após uma extensa investigação, Grieveson foi preso pelos assassinatos, em 11 de Março de 1994 e enfrentou um julgamento de seis semanas em 1996, onde foi condenado a três sentenças de prisão perpétua pelos assassinatos. Ele tem que cumprir um mínimo de 35 anos de prisão antes de ter permissão de entrar com pedido de condicional. Em Novembro de 2000, Steven Grieveson, cumprindo suas três sentenças de prisão perpétua na Full Sutton Prison, foi interrogado sobre o assassinato de Simon Martin, 14 anos, que foi assassinado em Gilside House Roker, em 1990. Em junho de 2004, Grieveson escreveu uma carta admitindo ter assassinado as três vítimas pelo qual foi condenado, mas não admitiu o assassinato de Simon Martin, ele foi considerado não culpado por esse crime. Ele segue cumprindo sua pena até os dias atuais.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Danny Rolling

Danny Harold Rolling nascido em 26 de maio de 1954, também conhecido como The Gainesville Ripper, foi um serial killer americano condenado. Após confessar o assassinato e mutilação de cinco alunos em Gainesville, Florida, em agosto de 1990, ele foi executado . Ele também confessou estuprar várias de suas vítimas, cometer um triplo homicídio em 1.989 em Shreveport, Louisiana e uma tentativa de assassinar o próprio pai em maio de 1990. Ao todo, Rolling confessou ter matado oito pessoas. Dany Rolling filho de James e Claudia Rolling, nasceu em Shreveport, Louisiana. Seu pai, um policial, batia nele, em sua mãe e mais tarde em seu irmão, Kevin. Claudia Rolling fez várias tentativas de deixar o marido, mas sempre voltava. Após várias prisões quando era adolescente e jovem adulto, por uma série de assaltos na Geórgia, Rolling teve problemas ao tentar assimilar a sociedade e manter-se em um constante emprego. Durante uma época, ele trabalhava como garçom no restaurante Pancho em Shreveport, Louisiana. Em 1990, Rolling tentou matar seu pai durante uma discussão. Pouco antes de sua execução, através de uma carta, Rolling confessou os assassinatos de William T. Grissom, de 55 anos, sua filha Julie, de 24 anos e a seu neto Sean de 8 anos quando eles se preparavam para o jantar em 04 de novembro de 1989, na casa de Grissom. Após a grande divulgação dos assassinatos em Gainesville, a polícia de Shreveport alertou a polícia de Gainesville à semelhança das cenas de assassinato: o corpo de Julie Grissom Julie tinha sido mutilado, limpo e descartado. [2] Estas semelhanças levaram a polícia de Gainesville a se interessar em Rolling. Polícia de Shreveport, embora mantendo um mandado de prisão aberto obtidos em 1994, nunca tentou extradição, supondo que na Florida a sentença de morte é mais fácil de ser aplicada do que na Louisiana. Mais tarde, ele fugiu para a Florida, onde ele começou roubar e assaltar, o que culminou com o assassinato de cinco pessoas em Gainesville. Sua assinatura era a de organizar os corpos de modo a evidenciar a carnificina nos quartos, isso incluíra a colocação de vários espelhos de frente para as vítimas e a decapitação de suas vítimas. Embora as autoridades policiais inicialmente tivessem muito poucas ligações, em Novembro de 1991 Rolling foi acusado de vários assassinatos e o procurador de Alachua County State, Rod Smith, supervisionou a acusação. Rolling declarou-se culpado no tribunal, quase quatro anos após os assassinatos terem ocorrido. Ele foi posteriormente condenado e sentenciado à pena de morte. Dois outros homens, um de Indialantic, Florida, foram considerados suspeitos inicialmente nos assassinatos de Gainesville, no entanto, foram descartados pelas autoridades de todas as suspeitas e acusações após ser preso Rolling. Rolling era conhecido por se esconder em Ocala, Flórida, em uma área arborizada que agora é um depósito da loja Home Depot. Como conseqüência das convicções de seus assassinatos, Rolling foi executado por injeção letal em 25 de outubro de 2006 e declarado morto às 06:13 da manhã na Florida State Prison, em Starke , cerca de 30 quilômetros a nordeste de Gainesville, Flórida , depois que o Supremo Tribunal americano rejeitou o último recurso de Rolling. Ele não mostrou nenhum remorso e se recusou a fazer qualquer declaração verbal ou oferecer qualquer pedido de desculpas aos parentes de suas vítimas, muitos dos quais estiveram presentes na sua execução como testemunhas. Sua última refeição consistiu de lagosta, camarão , batata cozida , doce de morango e chá doce. Enquanto aguardava a execução, Rolling escreveu e ilustrou um romance chamado Sicarius, bem como diversas canções, poemas, pinturas e reflexões compiladas em uma coleção que ele intitulou Murderabilia.
Entrevista

O filme The Gainesville Ripper é baseado nesses acontecimentos.

O livro Beyond Murder : The Inside Account of the Gainesville Student Murders de John Philpin e John Donnelly baseia-se nesses acontecimentos.

terça-feira, 13 de julho de 2010

Cedric Maake

Maoupa Cedric Maake nascido em 1965, também conhecido como Wemmer Pan Killer é um assassino em série da África do Sul. Ele cometeu pelo menos 27 assassinatos entre os anos de 1996 e 1997. Maake é conhecido como "Pan Wemmer Killer", porque foi nesta área de Joanesburgo que ele fez a maioria de suas vítimas, iniciando em Abril de 1996. No início, a Unidade Brixton de homicídios e roubos do Serviço de Polícia Sul-Africano (SAPS), a unidade principal responsável pela investigação de "serial killers" da Polícia de Joanesburgo, não tinha nenhum link entre todos os crimes juntos, acreditando que eles eram obra de dois ou mais "serial killers" separados, devido à diferença de padrões entre os assassinatos. Durante a investigação dos assassinatos de Maake dois perfis criminais diferentes foram criados: um para o assassino “Wemmer Pan” e outra para o assassino “Hammer”. Os assassinatos Wemmer Pan envolviam diversos padrões de vítimas. No primeiro caso eram homens e mulheres que andavam sozinhos e que Maake espancava com pedras até a morte. O segundo grupo de Pan Wemmer as vítimas eram casais em carros ao redor da área de Wemmer Pan onde Maake cometia assaltos, disparando contra os homens e estuprando as mulheres antes de matar. O segundo perfil que a polícia criou envolvia assassinatos a alfaiates no interior da cidade, eles eram mortos em suas lojas a marteladas. O Serviço de Polícia Sul Africano ligou os dois conjuntos de assassinatos após Maake assinou notas promissória em duas das lojas de suas vítimas. Esta assinatura de Maake ligou às duas áreas. Maake foi preso em Dezembro de 1997 como suspeito dos assassinatos "Wemmer Pan". Ele colaborou com a polícia em várias ocasiões, para levá-los em torno da vizinhança e apontar a localização de seus crimes. Os dados fornecidos por este mais tarde foram usados com o Sistemas de Informação Geográfica (GIS) e de tecnologia de mapeamento de crimes para fornecer diagramas da extensão geográfica dos assassinatos em série. O julgamento de Maake foi um dos primeiros usos do GIS para auxílio no tribunal de acusação pelo SAPS. O perfil geográfico mais tarde revelou que a maioria dos assassinatos de Maake foram centradas em torno de suas duas residências, o local onde ele trabalhava e as residências do seu irmão e sua namorada. Maake foi acusado de 35 crimes de homicídio, 28 tentativas de assassinato, 15 acusações de estupro, 46 crimes de roubo agravado e outros crimes relacionados à posse ilegal de armas de fogo e munições . No tribunal Maake se declarou não culpado de todas as acusações. Um mês após sua prisão, ele também confessou os assassinatos do perfil "Hammer". Em 6 de setembro de 2000, ele foi condenado por 27 assassinatos, 26 tentativas de homicídio, 14 estupros, 41 roubos agravados e muitos outros delitos menos graves. Ele foi considerado culpado de 114 a 134 acusações ao todo e foi condenado a 27 penas perpétuas (uma para cada assassinato) num total de 1.159 anos e 3 meses de prisão. No total, a sentença atingiu 1.340 anos de prisão.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Olga Hepnarová

Olga Hepnarová nascida em 30 de junho de 1951 foi uma assassina em massa tcheca (na época seu país ainda era Tchecoslováquia). Filha de um banqueiro aposentado e de uma dentista renomada, em 1973, ela matou oito pessoas com um caminhão. Nascida em Praga, Hepnarová tinha problemas psiquiátricos de que era muito jovem, em 1964, ela tentou o suicídio (por ingestão de medicamentos) e passou um ano em uma clínica psiquiátrica. Mais tarde, ela trabalhou como motorista de caminhão. Em 10 de julho de 1973 ela jogou o caminhão que dirigia em um grupo de cerca de 25 pessoas à espera de um bonde em Praga, em uma rua que após o incidente foi chamada de Milada Horáková ("Defensores da Paz"). Três pessoas morreram imediatamente, três morreram no mesmo dia e dois em poucos dias (todos com idades entre 60 e 79). Seis ficaram gravemente feridas e seis sofreram apenas escoriações. Antes do assassinato, ela enviou uma carta a dois jornais (Svobodné Slovo e Mladý svet) explicando sua ação como vingança por todo o ódio que sentia de sua família e do mundo. Devido à lentidão do sistema postal, as cartas foram recebidas apenas dois dias depois dos assassinatos. Esse era o conteúdo da carta: Eu sou solitária. Um ser humano destruído. Um humano destruído por pessoas ... Eu tenho uma escolha - me matar ou matar outras pessoas. Eu escolho me vingar com meu ódio. Seria muito fácil deixar este mundo como um suicídio desconhecido. A sociedade é tão indiferente, certo. Meu veredicto é: Eu, Olga Hepnarová, vítima de sua bestialidade, condenada a pena de morte. Durante a investigação, Hepnarová confirmou que sua intenção era matar o maior número de pessoas possível e que ela não tinha nenhum arrependimento. Especialistas da área da psicologia não encontraram nenhum problema nela e julgaram que ela tinha plena consciência de suas ações. Em 06 de abril de 1974, ela foi condenada a morte , a sentença foi confirmada pelo tribunal superiores e pelo presidente do país. Ela foi enforcado na prisão Pankrác em Praga, tornando-se a última mulher executada na Tchecoslováquia. De acordo com o carrasco, como foi registrado pelo escritor Bohumil Hrabal, pouco antes da execução, Hepnarová desmaiou e teve que ser arrastada para a forca.Biografia Parte 1 Parte 2 Parte 3

O livro Oprátka za osm mrtvých de Roman Cílek trata desses incidentes.

domingo, 11 de julho de 2010

Abbas al-Baqir Abbas

Abbas al-Baqir Abbas, nascido em 1967, em Al-Dasis, na parte norte de Al Jazirah, Sudão, aproveitou as orações noturnas e usando um rifle de assalto Kalashnikov começou a atirar pela janela contra membros do Ansar al-Sunna Al-Mohammediyya que estavam orando em uma mesquita em Jarafa, uma vila nos arredores de Omdurman, Sudão em 08 de dezembro de 2000. O único atirador, Abbas al-Baqir Abbas, membro do Takfir wal-Hijra, abriu fogo com um fuzil Kalashnikov durante as orações noturnas, matando pelo menos 22 pessoas e ferindo mais de 30, antes de ser morto a tiros pela polícia. De acordo com testemunhas, ele evitou matar mulheres e garantiu que só ia matar homens. Quando se recusou a se entregar, Abbas foi morto após um breve tiroteio com a polícia. Pelo menos mais dois dos feridos morreram mais tarde por causa dos ferimentos. Embora, segundo a polícia, Abbas tivesse agido sozinho, testemunhas afirmaram que os tiros foram disparados a partir de três direções e que tinham pelo menos três atacantes vestindo jellabiyas (vestimenta tópica árabe) e todos fugiram antes que a polícia chegasse. Além disso, houve relatos que não só os fiéis na mesquita foram atacados, mas que o atirador havia tumultuado toda a vila, matando pelo menos mais dois meninos. Abbas al-Baqir Abbas era membro do Takfir wal-Hijra, um grupo extremista muçulmano, originário do Egito, que tinha um histórico de divergências com o pacifistas Ansar al-Sunna. Enquanto o Takfir wal-Hijra acredita que a Sharia (lei islâmica) deve ser implementada pela força, o Ansar al-Sunna não. Este conflito resultou em incidentes semelhantes anteriormente. Em 04 de fevereiro de 1994 três assaltantes, Abdullah Mohammed al-Khilaifi, um líbio islâmico, junto com dois sudaneses, atacou uma mesquita de Ansar al-Sunna, em Al Thawra com fuzis de assalto, matando 19 pessoas e ferindo 15. Abdullah al-Khilaifi foi condenado à morte e executado em 19 de setembro de 1994. Em 01 de janeiro de 1996 oito assaltantes e um policial foram mortos em uma luta entre os membros do grupo e policiais em Kambo Ashara, quando tentavam forçar os moradores a se converter. Um ataque na mesma mesquita em Jarafa em 1996 deixou 12 pessoas mortas. Em 01 de novembro de 1997, dois membros do Takfir wal-Hijra atacaram as pessoas saindo de uma mesquita em Arkawit com facas, matando dois e ferindo outros dez. De Abbas al-Baqir Abbas sabe-se que sua mãe deixou sua casa devido ao seu fanatismo religioso e que ele bateu em sua irmã, acusando-a de infidelidade. Ele estudou economia na Universidade de Tripoli, mas foi forçado a deixar a Líbia, por principais pertencer a grupos extremistas islâmicos e ser considerado ameaça à segurança. Ele era um ex-membro das Forças de Defesa Popular, combatendo os rebeldes no sul do Darfur. Inicialmente ele era um membro de Ansar al-Sunna, Abbas deixou devido a diferenças religiosas e juntou-se a Takfir wal-Hijra. Ele teria ameaçado várias vezes os membros do Ansar al-Sunna, com um ataque similar ao de 1994. Devido a essas ameaças, ele foi preso em 1998 por quatro meses e, novamente, alguns meses antes dos assassinatos, junto com outras 20 pessoas suspeitas de serem membros da Takfir wal-Hijra, porém, arrependendo-se e alegando ter abandonado o grupo e suas idéias, ele foi liberado. No dia seguinte aos assassinatos, o presidente Omar al-Bashir visitou a mesquita para dar condolências aos familiares das vítimas e garantiu que a legislação seria aprovada para controlar os grupos religiosos fanáticos, prometendo corrigir as leis a fim de proteger a sociedade da destruição e das idéias nocivas. Após o massacre, policiais e forças de segurança foram enviados para o estado de Khartoum, para uma série de inspeções para evitar mais violência, levando à detenção de 65 líderes da Takfir wal-Hijra e as leis de segurança foram reforçadas , permitindo a aplicação da lei para deter suspeitos por até seis meses. As alterações foram criticadas pelos partidos da oposição para cercear as liberdades e acusou o presidente Bashir de abusar do incidente para aumentar seu poder.

sábado, 10 de julho de 2010

Lam Kor-wan

Lam Kor-wan (林过云) nascido em 1955 foi um dos serial killers mais conhecidos de Hong Kong. Lam, que trabalhava como motorista de taxi, pegava suas passageiras, sempre do sexo feminino, as estrangulava com um fio elétrico, as levava para a casa de sua família e as desmembrava. Seu apelido "O Assassino dos frascos", foi inventado quando a polícia revelou que ele guardava órgãos sexuais em recipientes plásticos em seu quarto em Tsim Sha Tsui Kwei na Chau Street. Ele era um ótimo fotógrafo e freqüentemente tirou fotos e fez vídeos de suas vítimas, pelo menos uma vez filmando-se realizando um ato de necrofilia. A imprensa chinesa o apelidou de "O Açougueiro da noite chuvosa" (雨夜屠夫), porque vários de seus ataques ocorreram durante o tempo nessas condições. Lam compartilhava seu quarto com seu irmão, que não tinha conhecimento de suas atividades. Ele trabalhava no turno da noite, assim conseguia desmembrar as vítimas em sua casa durante o dia sem a sua família descobrir. Os corpos foram eliminados através de seu táxi em New Territories e em Hong Kong Island, e todos acabaram sendo localizados. Lam foi preso por policiais à paisana em 17 de agosto de 1982. Ele tinha tentado revelar fotografias de uma de suas vítimas desmembradas em uma loja da Kodak. O gerente da loja em Tsim Sha Tsui avisou a polícia e eles estavam esperando por ele quando ele voltou para pegar as fotos. Em 08 de abril de 1983, Lam foi considerado culpado de quatro acusações de assassinato e condenado à morte por enforcamento. A sentença de Lam foi mais tarde foi comutada para prisão perpétua em 1984, como era a tradição antes da abolição da pena de morte em 1993. Ele está atualmente cumprindo a sua sentença de prisão perpétua na prisão Shek Pik. Suas vítimas foram: Chan Fung-lan, de 22 anos, cujo corpo foi encontrado no Rio Shing Mun , New Territories; Leung Sau-wan, female, age unknown, body found near Tai Hang Road , Hong Kong Island. Leung Sau-wan, de idade desconhecida, cujo corpo foi encontrado perto de Tai Hang Road, Hong Kong Island; Leung Wai-soma, de 17 anos, cujo corpo foi encontrado em Tai Hang Road, Hong Kong Island e um corpo não identificado do sexo feminino, de 31 anos que foi encontrado em Tai Hang Road, Hong Kong Island.

O filme Dr. Lamb relata esses acontecimentos.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Adriano da Silva

O serial killer da região de Passo Fundo Adriano, a quem se atribuíram 12 mortes, embora ele admita apenas oito, foi preso no Município de Maximiliano de Almeida, na divisa do Rio Grande do Sul com Santa Catarina, em janeiro de 2004. Na Polícia e em Juízo, Adriano, também conhecido como Monstro de Passo Fundo, revelou detalhes sobre as mortes dos meninos, revelando - sem demonstrar nenhuma emoção - como imobilizava suas vítimas. Garantiu também que só abusava sexualmente dos meninos depois de matá-los. Nunca, segundo o depoimento, levava nada das crianças, nem roupas ou objetos. Adriano já tinha sido condenado por latrocínio, roubo seguido de morte, formação de quadrilha e ocultação de cadáver, no Paraná. Silva era procurado desde 2001, quando teria escapado da cadeia no Paraná, onde cumpria pena de 27 anos pela morte desse taxista. Desde então, circulou pelo interior gaúcho sob nomes falsos e vivendo de bicos. Interrogado pelos policiais, Silva confessou os crimes. Dos 27 anos de detenção que tinha para cumprir, fugiu depois de seis meses. Durante as investigações feitas pela Polícia gaúcha do RS chegou a ser preso, mas foi solto por falta de provas. O assassino carregava luvas e um lenço, para não deixar impressões digitais. Questionado sobre tamanha brutalidade, Silva falou de "uma vontade íntima, de um vício". Um detalhe espantoso nesse caso é que, nos últimos meses, antes de ser definitivamente acusado e confessar as oito mortes, o presidiário chegou a ser detido três vezes - uma por furto, outra por estar com uma faca e a terceira quando o avô de um dos meninos mortos suspeitou dele. Mas acabou solto em todas as ocasiões porque a polícia não sabia estar diante de um foragido. Silva disse aos policiais ter perdido os documentos e se identificou como Gabriel, nome de seu irmão. A desculpa foi suficiente para enganar a polícia, mas já se sabe que nada teria acontecido ainda que Adriano da Silva fosse identificado. Durante muitos meses, a Secretaria de Segurança do Paraná, Estado de onde ele fugiu, deixou de alimentar o sistema nacional de informações policiais. Ou seja, não haveria como saber que se tratava de um bandido foragido. Em liberdade, Silva mataria uma vez mais. Novamente, a polícia o capturou com a ajuda de uma testemunha que viu a vítima com o assassino.Entrevistado em 2010 ele alegou que só cometeu um dos 12 homicidios e que foi forçado a confessar os demais crimes, alegando que uma rede cometia os assassinatos e que se ele se negasse a confessar, a familia dele correria riscos. Reportagem

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Farda Gadirov

Farda Asad oglu Gadirov (ფარდა გადიროვი) nascido em 8 dezembro de 1980 foi um spree killer georgiano que cometeu sua farra assassina no Azerbaijão. Ele feriu dez pessoas e matou doze, em seguida, cometeu suicídio com um tiro na cabeça. Farda Gadirov nasceu na aldeia de Dashtapa perto Marneuli. Ele passou a maior parte de sua vida em Podolsk, Rússia , mais tarde seu tio o convidou para ajudá-lo nos negócios, mas por razões desconhecidas, ele voltou para Baku . Um policial de sua aldeia natal, Vidadi Hasanov, descreveu Gadirov como uma criança selvagem, que raramente saía de sua casa durante o seu breve retorno. Em 30 de abril de 2009, Gadirov chegou na Azerbaijan State Oil Academy, em Baku e abriu fogo contra os estudantes do segundo edifício, matando doze pessoas e ferindo outras dez pessoas antes de virar a arma para si mesmo e se suicidar, segundo testemunhas, autoridades e o relatório de autópsia. A farra ocorreu em 30 de abril de 2009 no Azerbaijan State Oil Academy (ASOA), uma universidade pública em Baku, as 12 pessoas que morreram eram estudantes e membros da equipe, incluindo o diretor-adjunto da instituição. De acordo com Ehsan Zahidov, um porta-voz do Ministério do Interior, as tropas especiais realizaram uma operação para que as pessoas que eram mantidas como reféns fossem libertadas. Dois ônibus das forças especiais chegaram ao local. Três cartuchos com capacidade de quarenta e setenta e um tiros junto com dois compartimentos foram achadas junto ao corpo de Gadirov. Gadirov atacou o segundo edifício da ASOA. Primeiro, ele matou um segurança e um faxineiro na entrada do edifício, antes de abrir fogo contra estudantes e professores. Então, ao escalar do primeiro andar até o sexto, ele disparou indiscriminadamente nas pessoas principalmente na cabeça, ao longo do caminho. Uma testemunha disse que um estudante tentou detê-lo, mas também foi baleado na cabeça. Uma outra testemunha relatou ter visto dois homens armados. O pistoleiro ficou trancado na Academia e a polícia isolou o prédio. Após Gadirov disparar contra sua cabeça, a polícia e os paramédicos chegaram rapidamente ao local. Os policiais armados cercaram o prédio. Todas as principais rotas para a universidade foram bloqueadas. Os corpos foram encontrados em todo o edifício. Os feridos foram levados para as ambulâncias estacionadas no lado de fora do hospital. A maioria estava em condição estável, mas algumas estavam em estado crítico e foram submetidas a cirurgia. Todos os alunos foram retirados e enviados para casa. No entanto dúvidas sobre vários detalhes foram expressas. O especialista do Azerbaijão Uzeyir Jafarov disse que é muito obscura e só um assaltante inexperiente poderia matar e ferir muitas pessoas assim com uma pistola Makarov. Jafarov delinou, que Gadirov não era um militar, mas sim um civil. Foi o Ministério da Saúde Azeri que divulgou a morte de treze pessoas e que dez pessoas foram feridas. Entre os feridos estavam dois cidadãos do Sudão (Moustafa Mohammad, Amrouh Seyid Ahmad) e um dos Síria (Daas Muawiya). Três dos feridos tiveram alta hospitalar logo após o tiroteio. As vítimas fatais foram: Emin Abdullayev, de 20 anos, estudante; Ramiz Abdullayev, 69 anos, diretor da ASOA e presidente da Faculdade de Petróleo e Gás; Jeyhun Aslanov, de 21 anos, estudante; Tamella Azizova, 58 anos, professor e pesquisador; Ruslan Babashov, 19 anos, estudante; Ayaz Baghirov, 21 anos, estudante; Yusif Bandaliyev, 20 anos, estudante; Ayna Gurbanova, 52 anos, funcionário da cafeteria; Savalan Jabbarov, 22 anos, estudante; Taleh Mammadov, 21 anos, estudante; Shafa Mammadova, 31 anos, assistente de laboratório e Majnun Vahidov, 63 anos, professor, dramaturgo e jogador profissional de xadrez, além do próprio pistoleiro de 28 anos. Mil velas foram acesas em frente ao prédio da universidade, em memória das vítimas. A doação de sangue ocorreu em várias regiões do Azerbaijão, por iniciativa do Ministério da Saúde. A doação, realizada em Saatli , envolveu 230 pessoas. De acordo com o porta-voz do Procurador-Geral Eldar Sultanov, Shirhan Nadir oglu Aliyev, um amigo de Gadirov aldeão foi detido como suspeito de cumplicidade. O processo criminal aberto contra Farda Gadirov foi descartado por causa de seu suicídio. De acordo com o presidente da nação, assistências financeiras no valor de 30.000 manats seriam entregue às famílias de pessoas mortas e 15.000 para os feridos. Posteriormente, um cidadão georgiano de origem armênia Mardun Gumashian foi acusado como o mandante do tiroteio. De acordo com o procurador Azeri Abdulla Yusifov, Gumashian é procurado pela Interpol. Tal como afirmado na acusação, Gumashian nasceu na região georgiana de Marneuli em 1951. Ele fundou um grupo criminoso, que contava com Farda Gadirov e outros terrorustas chamados Javidan Amirov, Nadir Aliyev e Najaf Suleymanov que foram presos posteriormente. Gumashian tramou um negócio com eles para cometer um ataque terrorista. Ele lhes ofereceu U$ 50.000, pagando U$ 5.000 a Gadirov, que comprou uma pistola e praticou tiros. A chegada do grupo terrorista a Baku foi em março de 2009. Reportagem 1 Reportagem 2

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Kathleen Folbigg

Kathleen Megan Folbigg (Donovan antes de casar), nascida em 14 de junho de 1967 é uma assassina de crianças australiana. Folbigg foi condenada pelo assassinato de seus quatro filhos pequenos: Patrick Allen, de oito meses de idade; Sarah Kathleen, de10 meses de idade; Laura Elizabeth, de 19 meses de idade e Caleb Gibson, com apenas 19 dias de idade. Sua matança durou de 1991 até 1999, chegando ao fim somente quando o marido descobriu seu diário pessoal, que detalhava os assassinatos. Inicialmente condenada a 40 anos de prisão, com um período de não-condicional de 30 anos, o período foi reduzido para 30 anos de prisão com um período de não-condicional de 25 anos, devido a um recurso. Folbigg alegou ser inocente, dizendo que seus quatro filhos morreram de causas naturais. Em 08 de janeiro de 1969, o pai natural de Folbigg, Thomas John Britton, assassinou sua mãe, também chamada Kathleen, esfaqueando-a brutalmente 24 vezes. Após seu pai se preso no dia seguinte ao assassinato, Folbigg foi para uma instituição do estado e colocada para adoção, onde foi adotada por um casal. Um ano mais tarde, com 3 anos de idade, Folbigg apresentava um comportamento que exigia cuidados: simulava brincadeiras sexuais e às vezes se masturbava. Em 18 de Julho de 1970, Folbigg foi retirada dos cuidados do casal e colocad em Bidura Children's Home, um centro para menores. Em setembro de 1970, Folbigg se mudou para a casa do Sr. e Sra. Marlborough, um casal que também forneceu assistência social e expressou o desejo de adotar Folbigg. Ela não ficou sabendo do assassinato de sua mãe pelas mãos de seu pai até 1984. Ela deixou a casa do Marlboroughs e conheceu Craig Gibson Folbigg em 1985. Eles começaram um relacionamento e compraram uma casa no noroeste de Newcastle, New South Wales subúrbio de Mayfield em maio 1987 e se casaram em setembro do mesmo ano. O primeiro filho Caleb Folbigg Gibson nasceu saudável em 01 de fevereiro de 1989. Caleb era conhecido por respirar ruidosamente e foi diagnosticado por um pediatra por estar sofrendo de um caso leve de laringomalácia, algo considerado leve. Em 20 de fevereiro de 1989, Folbigg colocou Caleb para dormir em uma sala ao lado do quarto que dividia com seu marido. Durante a noite, Caleb se agitou da meia-noite até 02:00. Folbigg atendeu seu bebê que chorava e posteriormente o sufocou. A morte foi atribuída à síndrome da morte infantil repentina (SIDS). Patrick Allen Folbigg nasceu em 03 de junho de 1990. Craig Folbigg permaneceu na casa para cuidar de sua esposa e do bebê com três meses após o nascimento. Em 17 de Outubro de 1990, Folbigg colocou Patrick na cama. Craig Folbigg foi despertado pelo som de sua esposa gritando e a encontrou em pé na frente do berço do bebê. Ele notou que a criança não estava respirando e tentou reanimá-lo por reanimação cardiopulmonar. Uma ambulância foi chamada e Patrick foi levado para o hospital. Mais tarde seria diagnosticado que Patrick sofria de epilepsia e cegueira cortical. Em 13 de fevereiro de 1991, Folbigg telefonou para o marido no trabalho, dizendo: "Já aconteceu de novo!" Ela tinha sufocado e matado Patrick. O casal mudou-se para Thornton na cidade de Maitland. Sarah Kathleen Folbigg nasceu em 14 de Outubro de 1992, e foi sufocada por sua mãe em 29 de agosto de 1993. Em 1996, o casal mudou-se para Singleton. Em 07 de agosto de 1997, Laura Elizabeth Folbigg nasceu. Em 27 de Fevereiro de 1999, Laura foi morta, sua morte foi atribuída a miocardite. O julgamento de Folbigg durou sete semanas. Durante um replay do júri para a polícia de uma entrevista de Folbigg, ela tentou sair correndo da sala do tribunal. A acusação alegou que Folbigg tinha assassinado os seus quatro filhos, asfixiando-os durante períodos de depressão. Folbigg baseou-se na defesa de que todos os seus quatro filhos haviam morrido de causas naturais e negou que o conteúdo de seu diário se relacionava ao assassinato de seus filhos. O Ministério Público não tinha provas circunstanciais e ela foi questionada por pelo menos oito peritos. Nenhum dos médicos chegou a um consenso sobre a causa de morte de qualquer uma das crianças. Em 21 de Maio de 2003, Folbigg foi considerada culpada pela Corte Suprema de New South Wales pelos seguintes crimes: três acusações de assassinato, uma acusação de homicídio e uma acusação de causar danos corporais graves. Em 24 de outubro de 2003, Folbigg foi condenado a 40 anos de prisão com um período de não-condicional de 30 anos. Em 17 de fevereiro de 2005, o tribunal reduziu sua sentença de prisão para 30 anos com um período de não-condicional de 25 anos por motivo de recurso. Devido à natureza de seus crimes, Folbigg reside em prisão preventiva para prevenir a violência a ela por outros detentos.

O livro When the Bough Breaks, The True Story of Child Killer Kathleen Folbigg, de Matthew Benns baseia-se nesses acontecimentos.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Rivadávia Serafim da Silva

Rivadávia Serafim da Silva, o “Rivinha” ou “Músico Justiceiro” como ficou conhecido, nasceu no Nordeste em 1965, veio para São Paulo com 25 anos de idade em busca de uma vida melhor. Atualmente com 45 anos, vive na Penitenciária Doutor Augusto Cesar Salgado que está localizada na cidade de Tremembé, São Paulo, mas esteve preso no COC, Centro de Observações Criminológicas (complexo Carandiru), até sua desativação em 2002. Ele cumpre pena de 150 anos de reclusão, acusado por duplos e triplos homicídios qualificados. Crimes que não assume como de sua autoria. Atuou na região norte da cidade de São Paulo no início dos anos 80 (entre 1982 e 1984). Quando chegou em São Paulo, no início dos anos 80, Rivinha foi morar com sua primeira esposa, na Favela Marconi e Funerária, localizada na Vila Maria, região Norte de São Paulo. A favela Marconi não difere de qualquer outra favela: formada, principalmente, por pessoas provenientes do nordeste do país e do sul de Minas Gerais que, expulsas do campo por uma questão de sobrevivência, procuram a cidade de São Paulo. Na favela Marconi quem mandava eram os criminosos, que, por barbarizavam a população. A ação dos justiceiros é uma característica urbana, dos bairros onde a proteção policial é ineficiente. A criminalidade nesses bairros é bastante intensa. Em alguns deles, a população tem que pagar “pedágio”, para os traficantes ou criminosos, para que possam ter acesso às suas casas. Além disso, há ainda o toque de recolher e a obediência servil aos criminosos. Não é raro, as mulheres serem estupradas pelos traficantes e não haver punição. A polícia na maioria das vezes conhece toda essa situação, mas não tem preparo, armas e equipamentos suficientes para tomar alguma atitude. Com esse subterfúgio a polícia faz vistas grossas ao problema. Os justiceiros nascem em meio a essa disparidade, onde a polícia só atua nos bairros nobres, deixando a periferia desprotegida. Após sofrer algum tipo de injustiça, esses homens resolvem fazer a justiça com suas próprias mãos. É o conhecido jargão: matar ou morrer. Essa questão aparece claramente nas falas de Rivinha. As histórias de justiceiros são sempre muito parecidas, começam se vingando de uma injustiça que foram vítimas, buscam apoio do Estado e não recebem esse apoio. São incentivados pela comunidade a se vingarem e logo fazem a primeira vítima, participando de um ciclo de mortes e apoio da comunidade. Rivinha se tornou um justiceiro conhecido por toda a cidade de São Paulo. A atuação desses justiceiros foi aparentemente tolerada pela policia e alguns deles, apresentaram carreiras profissionalizadas e de longa duração. De fato, Rivinha teve muita fama na época em que atuava. Essa fama, contudo, deu-se quando ele resolveu, ainda em liberdade, dar uma entrevista à Rede Globo de Televisão, para explicar melhor porque cometia os assassinatos. Por ter se tornado conhecido acabou sendo responsabilizado por vários crimes que não cometeu. Certa vez Rivinha disse: Fiquei mais com fama, fama, fama, hoje eles falam que eu matei 200 pessoa, falaram que eu matei 60, vem os repórter e fala que eu matei 100, outros falam que eu matei, ninguém sabe da minha história, ninguém sabe da vida, agente conta, conta, não é nada disso, não é por aí. Rivinha afirmava que não existia um grupo liderado por ele. Zé Magrela e Didi, que também eram acusados de múltiplos crimes, eram seus amigos e foram vítimas do mesmo tipo de violência sofrida por ele. Quando se encontraram, decidiram se juntar para fazer o que consideraram justiça. Segundo ele: Didi e Zé Magrela eram nordestinos e também estavam lá sendo humilhados como ele. Didi morreu na cadeia com 50 facadas vítima dos criminosos que eles amarravam no poste e entregavam para a polícia, Zé Magrela, segundo Rivinha sumiu e não se soube mais notícias. Quando perguntado sobre o uso ou o tráfico de drogas, Rivinha se coloca contrário ao uso e afirma que nunca se envolveu com traficante. Inclusive em sua análise Rivinha considera que o tráfico de drogas tenha “invadido” os bairros e que provavelmente hoje nem existam mais justiceiros. Nos casos de justiceiros e também de matadores, a questão da honra, virilidade e masculinidade são fundamentais. A função da masculinidade e da virilidade se dá pela defesa da honra. É um assunto social, que relaciona homens ou grupos dividindo os mesmos valores. Há na cultura brasileira, especialmente nas camadas populares uma valorização da masculinidade. Os homens impõem a virilidade defendendo a sua honra e sua moral. Desde criança aprendem que, se apanharem na rua, também apanham em casa. Pois para ser homem tem que saber se defender e não levar desaforo para casa. Essa valorização da masculinidade está muito presente na formação do povo brasileiro. Quando Rivinha conta que sua mulher foi violentada na sua presença, significa que a afronta dos criminosos foi à sua moral. Essa ação dos criminosos está repleta de significados morais, onde se coloca o desafio que exige vingança daquele que não tiver medo e for Homem para limpar sua honra. Esse “desafio” proposto pelos criminosos exige uma resposta, incitou-se a vingança. Um dos códigos bem conhecidos entre os criminosos é o da “lei do silêncio”, não se denuncia um criminoso em nenhuma hipótese, a não ser que esteja disposto a enfrentar as conseqüências. Rivinha denunciou os criminosos e por ter ido a polícia, ficou jurado de morte. Ele disse que trabalhava honestamente e que resistiu antes de aceitar a arma e atirar nos bandidos da favela que morava. Porém, segundo ele, começou a ser caçado por ter denunciado os criminosos para a polícia. Matou a primeira vez, para não ser morto. Segundo ele, antes de matar ele foi caçado, sua mulher grávida foi baleada e perdeu a criança, seu irmão adotivo foi morto, foi ai que ele matou pela primeira vez, um rapaz chamado Suel, que vivia o ameaçando. Quando afirma que matou para não ser morto, Rivinha também expõe uma situação criada ao seu redor, onde matar não é um ato simples e fácil. Rivinha diz sempre que se tornou justiceiro por não ter opção, é “matar ou morrer”, a todo momento remonta que onde morava não havia lei, nem tão pouco justiça. Nas falas de Rivinha, fica bastante claro que trabalhador pai de família, não merece morrer. Para os justiceiros quem não cumpre essas qualificações ou é criminoso, ou vagabundo, ou marginal. Por isso, morre ou tem que ser preso. Marginal é aquele que rouba, estupra, cobra pedágio de moradores e mata pai de família e trabalhador. Quando entrevistados, os justiceiros sabem e assumem que são criminosos, tanto quanto são criminosos aqueles que eles mataram. Porém, o fato de só matarem “quem não presta”, não aceitarem crimes por encomenda e no caso de Rivinha, nunca ter matado nem mulher nem criança, serve como justificativa para distinguir e amenizar seus atos. Segundo essa idéia de que o trabalho é sinônimo de honestidade e antônimo de violência, há uma forte matriz ideológica da sociedade moderna. Rivinha coloca que não deixou de trabalhar, isso é que o diferenciava dos outros criminosos. Com sua popularidade crescida, os moradores da comunidade por respeito ou medo, se mostravam trabalhadores. Mas o pensamento de Rivinha mostra como que na violência há um ciclo do caos, sobretudo nesses bairros onde o que pondera é ação de criminosos. Ao mesmo tempo em que ele e seus amigos, em um primeiro momento, “limpam” o bairro dos criminosos indesejáveis, são eles mesmos que instituem novamente o medo e a insegurança nos moradores, que vêm necessidade de se mostrarem trabalhadores para não serem mortos. A senha para a pseudotranqüilidade é o trabalho. Para os justiceiros, trabalhar e fazer a justiça significa não ser criminoso nem bandido, mesmo ele próprio sendo o agente da violência, essa ação de matar somente os criminosos tem uma finalidade: impor e manter a ordem. A ação de Rivinha na comunidade não elimina a violência, na medida em que reproduz a violência para combater o que ele chama “os criminosos que barbarizavam”, portanto a violência é um mecanismo de enfrentamento da própria violência. “É impossível não usar de violência quando se quer liquidá-la. Mas justamente por isso, ela é interminável. As atitudes dos justiceiros em relação à violência têm toda uma conotação moral, reproduzindo os valores de uma sociedade conservadora, que determina quem são os bons ou maus cidadãos. Os justiceiros são reflexos e produtos dessa sociedade, usam do poder que eles próprios se conferem para fazer uso da violência e serem eles próprios vítimas dela.

domingo, 4 de julho de 2010

Ami Popper

Ami Popper (do hebraico עמי פופר) nascido em 1969, na cidade de Rishon LeZion, é um israelense responsável por 7 assassinatos. Popper, em 20 de maio de 1990, com uma espingarda de assalto Glilon e cinco clipes de munição, que ele havia roubado de seu irmão, que era um soldado, exigiu que trabalhadores árabes que esperavam em um ponto de ônibus mostrassem seus cartões de identificação. Quando um carro com placas da Cisjordânia se dirigiu em sua direção, Popper parou o carro e obrigou que os passageiros saíssem e se juntassem as demais pessoas. Após a confirmação de que os passageiros do um ônibus eram trabalhadores árabes, ele pediu que eles fizessem uma fila e abriu fogo, matando sete pessoas. Uma hora depois ele foi preso pela polícia israelense. Depois de seu ato, motins feitos pelos palestinos causaram a morte de mais sete palestinos nas mãos das forças de segurança israelense, e ainda tiveram mais 700 feridos. Um Rádio de Israel informou que Popper alega que não se sentia bem por causa de sua namorada decidiu deixá-lo. Mais tarde, ele disse à polícia que tinha sido estuprado por um árabe, quando ele tinha 13 anos e cometeu estes assassinatos de vergonha e desejo de vingança, porém mais tarde ele declarou que isto era falso. Na prisão, ele tornou-se religioso e, em junho de 1993, ele casou com Sarah Goldberg, uma canadense mulher de uma família de ativista Kach. Eles tiveram três filhos. Em fevereiro de 1999, a sentença de Popper foi comutada de sete penas de morte para 40 anos de vida. Atualmente é esperado que ele seja lançado em liberdade condicional em 2023, após 33 anos de prisão. Em 17 de janeiro de 2007, quando estava em uma licença de liberdade de 48 horas, Popper se envolveu em um acidente de carro provocado por cruzar uma linha de trem. Sua esposa, com 42 anos na época e um de seus filhos, Shimson de 6 anos, morreram no acidente. Popper saiu com poucos ferimentos. A polícia israelense informou que a licença de Popper tinha expirado em 1999. Informações iniciais indicam que as crianças da família não estavam usando cinto de segurança no banco traseiro. Políticos de direita e ortodoxos em Israel exigiram a sua libertação juntamente com outros prisioneiros israelenses que foram condenados por homicídios ou outro tipo de violência cometida contra os palestinos, em troca da libertação de prisioneiros palestinos que cometeram assassinatos ou violência contra os israelenses.

terça-feira, 29 de junho de 2010

Allan Legere

Allan Legere nascido em 1948 é um serial killer canadense, também conhecido como o “Monstro do Miramichi”. Legere trabalhou como vendedor de carros em Winchester, no sul de Ottawa, no final de 1970, vivendo em uma fazenda em Inkerman nas proximidades. Mais tarde, ele retornou à sua terra natal, New Brunswick, mais especificamente na cidade de Miramichi. Um ex- vendedor de carros de Ottawa, que se tornou sinônimo de terror em New Brunswick. Ele cumpria uma sentença de prisão perpétua pelo assassinato de um comerciante, John Glendenning, de 66 anos, e ficou foragido durante sete meses. Glendenning foi assassinado em sua casa em 1987 por Legere e dois cúmplices jovens. Ele conseguiu escapar de forma sensacional da prisão durante uma visita a um hospital de Moncton. Após ter escondido uma faca artesanal em uma cavidade do corpo e quando foi levado ao hospital para o tratamento de uma infecção no ouvido, preso com algemas, nos braços e pernas, ele pediu para ir ao banheiro e sem suas restrições, sacou da faca e dominou dois guardas na primavera de 1989. Durante o tempo que esteve foragido, ele cometeu mais quatro homicídios, incêndios e vários estupros, antes de ser recapturado. Suas vítimas fatais foram: Annie Flam Annie Flam, de 75 anos; as irmãs Donna Daughney, de 45 anos e Linda Lou Daughney, de 41 anos, e por fim o Padre James Smith, de 69 anos, todas as mortes ocorreram entre maio e novembro de 1989. Uma recompensa de $50.000 foi oferecida para quem fornecesse informações que levassem à prisão de Legere. Seu julgamento foi um dos primeiros casos canadense a apresentar uso de impressões digitais e de DNA, apesar de os advogados argumentarem que o estudo de genes ainda era relativamente novo na região de Miramichi e poderia facilmente levar a falsos positivos, mas, Legere foi condenado pela segunda vez em 1991. As of 2008, he was one of only 90 prisoners held in Canada's maximum security Special Handling Unit (SHU) in Quebec. Até 2008, ele era um dos apenas 90 presos na prisão de segurança máxima Special Handling Unit (SHU), em Quebec, Canadá. Biografia Parte 1 Parte 2 Parte 3

O livro Terror's End: Allan Legere on Trial, de Rick Maclean baseia-se nesses acontecimentos.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Akira Nishiguchi

Akira Nishiguchi (西口 彰 em japônes) nascido em 14 de dezembro de 1925 foi um serial killer e fraudador japônes . Ele é mais conhecido por ser capaz de confundir a polícia japonesa a acreditar que ele estava ligado apenas à fraude, em vez de assassinatos. Ao se envolver em esquemas de confiança, ele matou duas pessoas, foi colocado na lista dos mais procurados e matou três pessoas enquanto fugia. Akira Nishiguchi fez uma onda de criminalidade de 78 dias em todo o Japão no final de 1963, matando cinco pessoas. Akira enganou e roubou suas vítimas antes de assassiná-las. Akira tonou-se fugitivo depois de matar dois homens e roubar o equivalente a U$ 750. Durante o massacre, ele passou dois períodos de cinco dias em um hotel barato em Hamamatsu, onde, em 18 novembro de 1963, ele estrangulou a mulher do proprietário do hotel e sua mãe. Mais tarde, ele fez amizade com um advogado idoso em Tóquio, que ele roubou e assassinou em 29 de dezembro. Ele foi finalmente capturado em Kyushu, após ser ter enganado toda a força policial japonesa e só ser reconhecido por uma estudante de 11 anos que tinha o visto em um de meio milhão de cartazes colados por todo o país. Um promoter o chamou de "the Black Gold Medalist in history" (medalha de ouro negra na história), devido a facilidade com que ele enganou a justiça. Ele foi enforcado na sexta-feira 11 de dezembro de 1970, aos 45 anos. Seus crimes foram os catalisadores para a criação da “Metropolitan Designated Case”, que é a força criada para resolver casos especiais no Japão.

O filme Vengeance Is Mine (復讐するは我にあり) baseia-se nesses acontecimentos.

O livro Vengeance Is Mine, de Ryuzo Saki foi a base para a criação do filme acima citado.

Vasiliy Kulik

Vasiliy Kulik (Василий Кулик em russo) nascido em17 de Janeiro de 1956, em Irkutsk Oblast , na antiga União Soviética (atualmente Russia) foi um serial killer responsável pelo assassinato de 13 pessoas (crianças, mulheres e idosos), em Irkutsk, entre 1984 e 1986, que ficou conhecido como o “Monstro de Irkutsk”. Seu pai era um doutor em Ciências Biológicas e escritor e sua mãe era uma diretora de escola. Segundo a própria mãe, que foi entrevistada pela policia após sua prisão, Kulik nasceu muito pequeno, sem unhas, orelhas pequenas, grande barriga pulsava de modo que parecia que ia estourar, ele nasceu prematuramente, de sete meses. Ele tinha dificuldade de urinar e muitas vezes não podia tomar banho. Apenas com seis meses ele começou a parecer uma criança normal. Anomalia fazem parte da genética da maioria dos serial killers. Sua mãe disse à polícia que seu filho além de ter crescido fraco, tinha desenvolvido dificuldades motoras. Ela ainda disse que seu filho torturava animais quando era criança e que quando adulto assumiu uma personalidade dominante. Suas irmãs relataram que ele era egoísta e cruel. Vasya, como era chamado, cresceu em um ambiente instável e, quando seu pai morreu, tentou cometer suicídio. Na escola, ele se envolveu com uma menina, mas ficou deprimido depois que ela se mudou para outra cidade. Aos 20 anos, ele começou a perseguir mulheres mais velhas e mulheres casadas, mas foi muitas vezes rejeitado. Kulik serviu no Exército, se formou em medicina na lechfak Medical Institute. Relatos dizem que ele se formou em medicina porque sua mãe desenvolveu câncer e ele resolveu estudar para encontrar uma cura para a doença da mãe. As primeiras experiências com a violência contra as mulheres foram na escola de medicina. Ele dava bebidas com substâncias sedativas para algumas colegas, mas, nunca se caracterizou um caso de estupro nessa época.Alguns anos mais tarde, Kulik saiu de casa e começou a trabalhar como paramédico na Estação de Irkutsk. Ele se casou com Marina, uma advogada, e teve três filhos. Nessa época ele sofreu uma lesão séria, perto do mercado central, vândalos adolescentes o espancaram com pedaços de canos na cabeça e o assaltaram. Após esse tempo, Kulik começou a desejar para as crianças e não querer mais as mulheres. Certa vez ele disse que no começo ele só pensava em meninas e em seguida passou a desejar os meninos, assim como as velhas senhoras. Ele afirmou que quando era menino tinha introduzido legumes no ânus de animais, fato que o influenciou a estuprar meninos. Em 1980, Kulik escreveu um romance no qual o personagem principal fez amizade com uma menina de nove anos com o único propósito de fazer sexo com ela. Em 1984, ele drogou, estuprou e estrangulou uma mulher idosa que encontrou na rua. Sua segunda vítima foi uma menina de oito anos de idade. A terceira foi uma mulher de 53 anos de idade que ele matou com uma pistola e uma faca de cozinha. Suas demais vítimas, foram 5 crianças, com idades entre 2 meses e 7 anos, e 5 mulheres idosos, a mais velho tinha 75, foram mortos da mesma maneira: estrangulamento usando apenas as mãos. Escrevia o nome das vítimas e o tesão que sentia com isso em seu diário. As vítimas idosas eram ex-pacientes que ele já conhecia e que confiavam nele por ele ser médico, já as crianças, ele ganhava a confiança dando algo em troca.Em 17 de janeiro de 1986 (data de seu aniversário), Kulik foi preso e acabou condenado por 13 assassinatos. Em seu julgamento ele disse que se não tivesse sido pego continuaria cometendo assassinatos e que não estava arrependido de suas vítimas e não tinha remorso, que de alguma forma ele nem pensava em quem tinha morrido. Ele foi condenado à morte por fuzilamento em 11 de agosto de 1988. A polícia nunca revelou quando ele foi executado, mas foi em algum momento da década de 1990.
<