sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Andrei Chikatilo

Andrei Romanovich Chikatilo (Андрей Романович Чикатило) nascido em16 de outubro de 1936 foi um serial killer soviético, criminoso sexual e pedófilo, apelidado de "Açougueiro de Rostov”, “Estripador Vermelho” ou “Estripador de Rostov”. Ele foi condenado pelo assassinato de 52 mulheres e crianças, principalmente na região de Rostov, hoje Rússia, entre 1978 e 1990 (algumas das vítimas foram assassinadas em outras regiões da Rússia, Ucrânia e Uzbequistão). Andrei Chikatilo nasceu na aldeia de Yablochnoye (Yabluchne) no atual estado de Sumy na Ucrânia. Quando a União Soviética entrou na II Guerra Mundial, seu pai foi convocado para o Exército Vermelho. Chikatilo teve de dividir a cama com a mãe. Ele urinava na cama ao longo de sua infância e era espancado por sua mãe cada vez que isso acontecia. Os anos de guerra foram traumáticos para Chikatilo. Durante a fome ucraniana, Stalin forçou fazendeiros ucranianos a entregar toda a colheita para o Estado. A fome generalizada imperava em toda a Ucrânia, e os relatos de canibalismo se espalhavam. A mãe de Chikatilo disse a ele que seu irmão mais velho Steppan tinha sido seqüestrado e canibalizado por vizinhos morrendo de fome, o que nunca foi realmente confirmado que aconteceu. Durante a guerra, Chikatilo testemunhou alguns dos efeitos da Blitzkrieg, que tanto o causavam medo, quanto o animavam. Em 1949, o pai Chikatilo, que tinha sido capturado por soldados nazistas, voltou para casa. Em vez de ser recompensado pelo seu serviço de guerra, ele foi dado como um traidor por se render aos alemães. Durante a adolescência tardia, Chikatilo descobriu que ele sofria de impotência crônica, piorando a sua inaptidão social e auto-ódio. Chikatilo era um aluno extraordinário e queria entrar para a Universidade Estatal de Moscou, onde esperava se formar em Direito. Chikatilo no entanto foi reprovado no exame de admissão. Depois de terminar o serviço militar obrigatório em 1960, mudou-se para Rodionovo-Nesvetayevsky e trabalhou como engenheiro de telefones. A única experiência sexual de Chikatilo na adolescência foi quando ele, com 18 anos, pulou em cima de uma menina de 13 anos (amiga de sua irmã) e a empurrou no chão, ejaculando em cima dela. Em 1963, Chikatilo casou com uma mulher que foi apresentada a ele por sua irmã mais nova. O casal teve um filho e uma filha. Chikatilo mais tarde afirmou que sua vida sexual conjugal era mínima e que ele tinha que ejacular em sua esposa e empurre o sêmen para dentro da vagina dela com os dedos. Em 1965, sua filha Ludmila nasceu, em seguida veio seu filho Yuri, um ano depois. Em 1971, Chikatilo concluiu uma licenciatura em literatura russa em um curso por correspondência e tentou seguir carreira como professor em Novoshakhtinsk. Sua carreira terminou após várias denúncias de abuso sexual infantil. Após isso ele conseguiu um emprego como funcionário de uma fábrica. Em setembro de 1978, Chikatilo mudou-se para Shakhty, uma pequena cidade com minério de carvão perto de Rostov, onde ele cometeu seu primeiro assassinato documentado. Em 22 de dezembro, ele atraiu menina de 9 anos chamada Yelena Zakotnova para uma velha casa que ele havia comprado secretamente, e tentou estuprá-la, mas não conseguiu ter uma ereção. Quando a menina fez força para fugir, ele a sufocou até a morte e esfaqueou o corpo dela. Ele ejaculou enquanto esfaqueava a menina. A partir desse momento, Chikatilo só conseguia obter excitação sexual e orgasmo quando esfaqueava e cortava mulheres e crianças até morte. Apesar das evidências ligando Chikatilo a morte da menina, um homem jovem, Alexsandr Kravchenko, que havia cumprido pena por estupro e assassinato antes, foi preso, julgado e confessou sob tortura. Ele foi condenado a 15 anos de prisão (o comprimento máximo de prisão na época). Ele foi torturado por parentes da vítima e depois executado. Chikatilo cometido outro assassinato, em setembro de 1981, quando tentou fazer sexo com uma estudante de 17 anos chamada Larisa Tkachenko em uma floresta. Quando Chikatilo não conseguiu ter uma ereção, ele ficou furioso e a esfaqueou e a estrangulou até a morte. Chikatilo não matou novamente até junho de 1982, quando matou uma menina de doze anos de idade que ele tinha raptado quando foi a um shopping, mas até dezembro daquele ano, ele já havia matado sete vezes. Ele estabeleceu um padrão de se aproximar de crianças, jovens fugitivos e crianças moradoras de rua que vivia perto da rodoviária ou das estações ferroviárias, levando eles para uma floresta próxima ou áreas isoladas e os matando, geralmente com facadas, cortando o pescoço das vítimas, apesar de que algumas vítimas além de receber um grande número de facadas, também foram estranguladas ou espancadas até a morte. As vítimas adultas de Chikatilo eram sempre do sexo feminino e muitas vezes eram prostitutas ou mulheres sem-teto, que poderiam ser atraídas para áreas isoladas com promessas de bebida ou dinheiro. Chikatilo normalmente tentava ter relações sexuais com as vítimas, mas ele normalmente era incapaz de ter uma ereção, o que o deixava em uma fúria assassina, principalmente se a mulher zombasse de sua impotência. Ele só atingia o orgasmo quando esfaqueava a vítima até a morte. As vítimas crianças eram de ambos os sexos. Chikatilo atraia essas vítimas para áreas isoladas, prometendo dar assistência, brinquedos ou doces: estas vítimas ele normalmente usava força bruta quando estava sozinho, amarrando as mãos atrás das costas com uma corda e então forçando até matá-las. Chikatilo não matou novamente até junho de 1983, mas ele matou mais cinco vezes antes de Setembro. O acúmulo de corpos e as semelhanças entre o padrão de feridas das vítimas obrigaram as autoridades soviéticas a reconhecer que um assassino em série estava à solta. No dia 6 de setembro de 1983, o Ministério Público da Federação Russa formalmente vinculou seis dos assassinatos ao mesmo assassino. Uma equipe da polícia de Moscou, dirigida pelo major Mikhail Fetisov, foi enviada para Rostov para dirigir o inquérito. Fetisov centrou as investigações em torno de Shakhty e atribuiu a um analista especialista forense, Victor Burakov, a chefia da investigação. Devido à selvageria pura dos assassinatos, muitos esforços da polícia concentraram-se em cidadãos doentes mentais, homossexuais, pedófilos conhecidos e criminosos sexuais, lentamente, trabalhando através de todos os que eram conhecidos e eliminando um após um do inquérito. Vários homens jovens confessaram os assassinatos, geralmente eram deficientes mentais que admitiam os crimes sob interrogação prolongada e muitas vezes brutal. Um jovem homossexual suspeito cometeu suicídio em sua cela na prisão, mas como a polícia obteve várias confissões de suspeitos e os corpos continuam a ser descobertos, os suspeitos que já haviam confessado não poderiam ser o assassino que a polícia estava procurando, em outubro de 1983, Chikatilo matou uma prostituta de 19 anos e em dezembro um estudante de 14 anos de idade chamado Sergey Markov. Em 1984, Chikatilo aumentou sua taxa de abate, entre janeiro e setembro Chikatilo cometeu quinze novos assassinatos e em sua terceira morte nesse ano, ele deixou suas primeiras grandes evidências: em 24 de Março, Chikatilo levou um garoto de 10 anos chamado Dmitry Ptashnikov para longe em Novoshakhtinsk, enquanto caminhava com o menino Chikatilo foi visto por várias testemunhas que foram capazes de dar aos investigadores uma descrição detalhada do assassino e quando o corpo de Ptashnikov foi encontrado três dias depois , a polícia também encontrou uma pegada do assassino e amostras de saliva e sêmen nas roupas da vítima. No entanto, no verão de 1984, Chikatilo cometeu uma dezena de homicídios, nove deles entre junho e agosto. Em 13 de setembro de 1984, exatamente uma semana após sua décima quinta morte no ano, Chikatilo foi observado por um detetive tentando seduzir mulheres jovens para longe de uma estação de ônibus em Rostov. Ele foi preso e levado. Uma busca em seus pertences revelou uma faca e uma corda. Também foi descoberto um objeto que o menor roubou de um de seus antigos empregadores, que deu aos investigadores o direito de prendê-lo por um período longo de tempo. Chikatilo havia sido descoberto e embora sua descrição física também combinasse com a descrição do homem visto com Dmitry Ptashnikov em março, esses fatores não forneceram provas suficientes para condená-lo pelos assassinatos. Ele foi considerado culpado em crimes menores e condenado a um ano de prisão. Ele foi libertado em 12 de Dezembro de 1984, depois de cumprir apenas três meses. Após a sua libertação da prisão, Chikatilo encontrou um novo trabalho em Novocherkassk e manteve um perfil limpo. Ele não matou novamente até agosto de 1985, quando ele matou duas mulheres em incidentes separados. O inquérito policial renasceu em meados de 1985, quando Issa Kostoyev foi nomeado para assumir o caso. Os assassinatos conhecidos em torno de Rostov foram cuidadosamente re-investigados e a polícia começou uma nova rodada de interrogatórios dos agressores sexuais conhecidos. Em dezembro de 1985, o Militsiya e Druzhina (Voluntário Populares) renovaram o patrulhamento das estações ferroviárias em torno de Rostov. A polícia também tomou à iniciativa de consultar um psiquiatra chamado Alexander Bukhanovsky, a primeira consulta em uma investigação de um serial killer na União Soviética, Bukhanovsky produziu sessenta e cinco página do perfil psicológico do assassino desconhecido para os investigadores, descrevendo-o como um hoem com idade entre 45 e 50 anos de inteligência média, era casado ou tinha sido casado, mas que também era um sádico que só poderia alcançar a excitação sexual, vendo suas vítimas sofrer.Bukhanovsky também argumentou que, por muitas das mortes ocorrerem durante as semanas de maior movimentação de pessoas em toda a província de Rostov, o trabalho do assassino exigia que ele viajasse regularmente, e com base no real dia da semana em que os assassinatos ocorriam, o assassino provavelmente seguia um cronograma.Chikatilo acompanhou as investigações com cuidado, e por quase dois anos, ele manteve seus desejos sob controle, durante 1986, ele não cometeu nenhum assassinato, e também não matou até maio de 1987, quando, em uma viagem de negócios a Revda na Ucrânia, matou um menino. Ele matou novamente em Zaporozhye em julho e em Leningrado, em setembro. Em 1988, Chikatilo voltou a matar, em geral, mantendo suas atividades longe da área de Rostov. Ele matou uma mulher não identificada em Krasny Sulin, em abril, e dois meninos entre maio e julho. Em 1989, Chikatilo nessa época voltou a cometer muitos de seus assassinatos em torno de Rostov, matou cinco vezes entre março e agosto. Novamente, houve um lapso de tempo antes que Chikatilo seguisse matando, então ele assassinou seis meninos e duas mulheres entre Janeiro e Novembro de 1990. A descoberta de mais vítimas fez com que houvesse uma grande operação da polícia. Uma parte da operação envolveu um grande número de comboios e patrulhamento nas estações de ônibus, bem como outros locais públicos ao redor da área de Rostov. As principais estações de trem e ônibus eram patrulhadas pela força policial vestindo uniformes. Os menores postos eram ocupados por patrulhas de agentes secretos. A intenção era evitar que o assassino freqüentasse as maiores estações de trem e ônibus, onde as atividades seriam mais difíceis de serem notadas. Isso forçava o assassino a ir caçar em estações menores, onde a presença da polícia não era aparente. A operação também envolveu um grande número de agentes jovens do sexo feminino vestidas como prostitutas ou pessoas desabrigadas. Eles vagavam sem rumo e em torno de estações, bem como viajavam extensivamente ao longo das rotas em que os corpos foram encontrados. Em 6 de Novembro de 1990, Chikatilo matou e mutilou Sveta Korostik. Ao deixar a cena do crime, ele foi parado por um policial à paisana que estava patrulhando a estação de trem Leskhoz e viu Chikatilo se aproximando dos bosques. Segundo a polícia, ele parecia suspeito. A única razão para que alguém fosse para a floresta naquela época do ano era para colher cogumelos silvestre (um passatempo popular na Rússia). No entanto, Chikatilo não estava vestido com roupas para isso, ele estava vestido com trajes mais formais. Além disso, ele tinha uma sacola de náilon de esportes, o que não era adequada colher cogumelos. Sua roupa estava suja e tinha o que parecia ser manchas de sangue espalhadas em seu rosto e orelhas. O policial parou Chikatilo e verificou seus papéis. Não tendo nenhuma razão formal para a prisão, Chikatilo foi liberado. A sacola de Chikatilo foi encontrada, nela foram encontrados os seios de Sveta Korostik amputados. Quando o policial voltou ao seu escritório, ele apresentou um relatório formal de rotina, indicando o nome da pessoa que parou na estação de trem. Logo após o encontro, a polícia encontrou mais dois corpos, a 30 metros de distância, perto da estação de trem em Leskhoz. Foi determinado que uma das vítimas foi morta na época do relatório policial arquivado sobre este homem suspeito perto da estação de Leskhoz. Pela segunda vez Chikatilo foi indiretamente associado com um assassinato de uma criança (a primeira foi em 1978, quando uma testemunha relatou ter visto um homem cuja descrição combinava com Chikatilo e com a menina que foi mais tarde encontrada morta). Mesmo após o incidente, a polícia ainda não tinha provas suficientes para a detenção e acusação. Chikatilo foi colocado em observação policial. Ele era constantemente seguido e filmado por agentes à paisana. Em 20 de novembro de 1990, Chikatilo saiu de casa com um galão de cerveja. Chikatilo vagava pela cidade, tentando fazer contato com as crianças que encontrava em seu caminho. Finalmente, ele entrou em um pequeno café onde comprou 300 ml de cerveja. Seu comportamento com as crianças desencadeou a decisão de prendê-lo quando ele saiu do café. Novamente, a polícia tinha dez dias para que Chikatilo confessasse os assassinatos ou teriam que deixá-lo ir. Após a prisão, a polícia descobriu outro elemento de prova contra Chikatilo. Uma de suas últimas vítimas era forte fisicamente (embora com problemas mentais), um menino de 16 anos. Na cena do crime, a polícia encontrou numerosos sinais de luta corporal entre a vítima e seu assassino. Um dos dedos Chikatilo tinha um ferimento leve. Os médicos concluíram que a ferida era, na verdade, de uma mordida humana. Apesar de um osso do dedo estar quebrado, nunca Chikatilo procurou atendimento médico para isso. A estratégia escolhida pela força policial para fazê-lo confessar incluía um dos interrogadores dizendo a Chikatilo que todos acreditavam que ele era um homem muito doente e precisava de ajuda médica. A estratégia era dar a Chikatilo esperança de que se confessasse ele não poderia ser processado por razões de insanidade. Nove dias se passaram sem uma verdadeira confissão de seus crimes, apenas insinuações vagas e evasivas. Finalmente Bukhanovsky foi convidado a ajudar no interrogatório de Chikatilo. Após uma longa conversa, Chikatilo confessou os assassinatos. Novamente, a confissão não foi suficiente para processá-lo. Interrogadores ainda precisavam de provas concretas. Chikatilo então se ofereceu para fornecer provas, mostrando corpos enterrados que a polícia ainda não tinha descoberto. Isso deu aos investigadores provas suficientes para condená-lo. Entre 30 de novembro e 5 de dezembro Chikatilo confessou e descreveu 56 assassinatos. Três das vítimas foram enterrados e não puderam ser encontradas ou identificadas. O número de crimes que Chikatilo confessou chocou a polícia, que havia incluído apenas 36 homicídios em sua investigação. Um número de vítimas não tinha ligação com outras, porque foram assassinados longe de onde Chikatilo caçava, enquanto outras estavam relacionadas por terem sido enterradas e não foram encontradas até Chikatilo levar a polícia a suas covas rasas. Precauções especiais tiveram de ser tomadas para manter Chikatilo na prisão; crimes violentos e, sobretudo sexuais contra crianças são tabu no submundo russo. Presos acusados de estuprar e matar crianças nas prisões russas são geralmente "abatidos" (опущены) por "intocáveis” (опущенный), abusados sexualmente e por vezes mortos por seus companheiros de cela. O problema era complicado pelo fato de que alguns dos familiares das vítimas de Chikatilo trabalhavam no sistema prisional. Enquanto que em sua cela, Chikatilo foi posta uma câmera de vigilância. Enquanto o suspeito agia muitas vezes de forma estranha na frente dos investigadores, o comportamento dele dentro da cela era normal: ele comia e dormia bem, se exercitava todas as manhãs e lia muitos livros e jornais. Chikatilo também passou muito tempo escrevendo cartas e reclamações para a sua família, funcionários do governo e os meios de comunicação de massa. Com o colapso da União Soviética em 1991, o julgamento de Chikatilo foi o primeiro evento importante da Rússia pós-soviética. Ele foi a julgamento em 14 de abril de 1992. Apesar de seu comportamento estranho e perturbador no tribunal, ele foi considerado apto para ser julgado. Durante o julgamento, ele foi mantido em uma jaula de ferro no centro da sala do tribunal, que foi construído para sua proteção de observadores tribunal. Parentes de vítimas gritavam ameaças e insultos a Chikatilo, exigindo das autoridades que o libertasse de modo que pudessem executá-lo por conta própria. Houve muitos incidentes de desmaios de parentes quando os nomes das vítimas foram mencionados. Chikatilo fez muitas declarações absurdas, em algumas ocasiões, ele anunciou que estava grávida ou que estava amamentando. Por duas vezes, ele abaixou as calças e expos seus órgãos genitais, gritando que não era homossexual. Ele negou alguns dos assassinatos aos quais ele já havia confessado. No último dia do julgamento, ele não parava de cantar e teve de ser retirado do tribunal. Quando foi oferecida uma última oportunidade para falar, ele permaneceu em silêncio. O julgamento terminou em julho e a sentença foi adiada para 15 de outubro, quando ele foi considerado culpado de 52 dos 53 assassinatos e condenado à morte por cada um dos delitos. O Juiz Leonid Akhobzyanov fez o seguinte discurso: Levando em consideração os monstruosos crimes que ele cometeu, este tribunal não tem outra alternativa senão impor a única frase que ele merece. Eu o sentencio, portanto, à morte. Depois de ouvir a sentença, a platéia, formada por familiares das vítimas, aplaudiram. Quando foi dada uma nova chance de falar, Chikatilo fez um discurso incoerente, acusando o regime, alguns líderes políticos, a sua impotência (até mesmo tirando as calças durante um momento) e se defendeu culpando suas experiências durante a infância, a fome na Ucrânia em 1930. Em um momento, ele alegou que tinha feito um favor à sociedade limpando-a de "pessoas sem valor". Chikatilo foi visto dizendo algo para o policial que o retirou de sua jaula de ferro e o levou. Em 4 de janeiro de 1994, o presidente russo, Boris Yeltsin recusou um derradeiro apelo por clemência. Em 14 de fevereiro, Chikatilo foi levado para um quarto não sonorizado na prisão de Novocherkassk e executado por um único tiro atrás da orelha direita. Essas foram as vítimas de Chikatilo: em 22 de dezembro de 1978 ele matou Yelena Zakotnova de 9 anos; em 3 de Setembro de 1981, foi Larisa Tkachenko de 17 anos; em 13 de Junho de 1982, Lyubov Biryuk de 13 anos; Lyubov Volobuyeva de 14 em 25 de Julho de 1982, morta em Krasnodar; Oleg Pozhidayev de 9 anos em 13 de Agosto de 1982, o corpo nunca foi encontrado; Olga Kuprina de 16 anos em 16 de Agosto de 1982; Irina Karabelnikova de 19 anos em 8 de Setembro de 1982; Sergey Kuzmin de 15 anos em 15 de Setembro de 1982; Olga Stalmachenok de 10 anos em 11 de Dezembro de 1982; Laura Sarkisyan de 15 anos aproximadamente em 18 de Junho de 1983, o corpo nunca foi encontrado; Irina Dunenkova de 13 anos em Julho de 1983; Lyudmila Kushuba de 24 anos em Julho de 1983; Igor Gudkov de 7 anos em 9 de Agosto de 1983, foi a vitima mais jovem; Valentina Chuchulina de 22 anos aproximadamente em 19 de Setembro de 1983; Uma mulher desconhecida com idade entre 18 e 25 anos foi encontrada morta entre o verão e o outono de 1983; Vera Shevkun de 19 anos em 27 de Outubro de 1983; Sergey Markov de 14 anos em 27 de Dezembro de 1983; Natalya Shalapinina de 17 anos em 9 de Janeiro de 1984; Marta Ryabenko de 45 em 21 de Janeiro de 1984; Dmitriy Ptashnikov de 10 anos em 24 de Março de 1984; Tatyana Petrosyan 32 de 32 anos e sua filha Svetlana Petrosyan foram mortas em 25 de Maio de 1984; Yelena Bakulina de 22 anos em Junho de 1984; Dmitriy Illarionov de13 anos 10 de Julho de 1984; Anna Lemesheva de 19 anos em 19 de Julho de 1984; Svetlana Tsana de 20 anos em Julho de 1984; Natalya Golosovskaya de 16 anos em 2 de Agosto de 1984; Lyudmila Alekseyeva de 17 anos em 7 de Agosto 7 de 1984; Uma mulher desconhecida com idade entre 20 e 25 anos foi morta entre 8 e 11 de Agosto de 1984 no Uzbequistão; Akmaral Seydaliyeva de 12 anos em 13 de Agosto de 1984, tinha desaparecido em Alma-Ata no Cazaquistão; Alexander Chepel de 11 anos em 28 de Agosto de 1984; Irina Luchinskaya de 24 anos em 6 de Setembro de 1984; Natalya Pokhlistova de 18 em 31 de Julho de 1985, morto próximo a Domodedovo, na região de Moscou; Irina (Inessa) Gulyayeva de 18 anos em 25 de Agosto de 1985; Oleg Makarenkov de 13 anos em 16 de Maio de 1987, Chikatilo levou a policia a encontrar os seus restos após ter sido preso; Ivan Bilovetskiy de 12 anos em 29 de Julho de 1987, morto em Zaporizhya, Ucrânia; Yuri Tereshonok de 16 anos em 15 de Setembro de 1987, morto na região de Leningrado; Uma mulher desconhecida com idade entre 18 e 25 anos foi morta entre 1 e 4 de Abril de 1988 próximo a Krasny Sulin; Alexey Voronko de 9 anos foi morto em 15 de Maio de 1988 em Ilovaisk na Ucrânia; Yevgeniy Muratov de15 anos foi morta em 14 de July de 1988; Tatyana Ryzhova de 16 anos foi morta em 8 de Março de 1989; Alexander Dyakonov de 8 anos em 11 de Maio de 1989, um dia após o seu aniversário; Alexey Moiseyev de 10 anos em 20 de Junho de 1989; Helena Varga de 19 em 19 de Agosto de 1989, ela era uma estudante húngara; Alexey Khobotov de 10 anos em 28 de Agosto de 1989, Chikatilo levou a policia a encontrar os seus restos após ter sido preso; Andrei Kravchenko de 11 anos em 14 de Janeiro de 1990; Yaroslav Makarov em 10 de Março de 1990, assassinado no jardim botânico de Rostov; Lyubov Zuyeva de 31 anos em 4 de Abril de 1990; Viktor Petrov de 13 anos em 28 de Julho de 1990; Ivan Fomin de 11 anos em 14 de Agosto de 1990; Vadim Gromov de 16 anos em 16 de Outubro de 1990; Viktor Tishchenko de 16 anos em 30 de Outubro de 1990, foi morto em Shakhti e Svetlana Korostik de 22 anos foi morta em 6 de Novembro de 1990. A música Psychopathy Red do Slayer baseia-se em Chikatilo.

Biografia Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5 Parte 6 Parte 7 Parte 8

Os filmes Citizen X e Evilenko são baseados nesses acontecimentos.

Os livros The Killer Department de Robert e Child 44 de Tom Rob Smith são baseados nesses acontecimentos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

<