terça-feira, 17 de novembro de 2009

Pietro Pacciani

Pietro Pacciani nascido em 7 de janeiro de 1925 era um camponês de Mercatale, San Casciano in Val di Pesa, suspeito de ser o monstro de Florença (monstro di Firenze). Pacciani foi preso 17 de janeiro de 1993, sob suspeita de ter assassinado oito casais jovens entre 1968 e 1985. Em 21 de agosto de 1968 Antonio Lo Bianco de 29 anos e Barbara Locci de32 anos, eram amantes e foram mortos com um tiro de Beretta .22 em uma cidade chamada Lastra a Signa, uma pequena cidade a oeste de Florença, enquanto o filho de Locci, Natalino Mele de 6 anos, dormia no banco traseiro do carro. Locci era famosa na cidade por seus muitos amantes. O marido de Locci, Stefano Mele, acabou sendo acusado de assassinato e passou 16 anos na cadeia, mas os casais continuaram sendo assassinados pelo misterioso assassino da Beretta .22. Em 15 de setembro de 1974 Pasquale Gentilcore de 19 anos e Stefania Pettini de 18 anos, namorados adolescentes foram baleados e esfaqueados até a morte em uma estrada rural perto de Borgo San Lorenzo, fazendo sexo em um Fiat Gentilcore 127. No cadáver de Pettini foram introduzidos galhos de parreira. Algumas horas antes do assassinato, Pettini disse algo a um amigo sobre um homem estranho que o assustava. Em 6 de junho de 1981 Giovanni Faggi de 30 anos e Carmela Di Nuccio de 21 anos, noivos, foram baleados e esfaqueados até a morte em uma noite de sábado, perto de Scandicci, onde ambos viviam. O corpo de Di Nuccio foi puxado para fora do carro, e o assassino cortou sua vagina com uma faca enferrujada. Na manhã seguinte, um jovem andarilho, Enzo Spoleti, andava falando sobre os assassinatos antes de os corpos terem sido descobertos. Ele passou 3 meses na prisão (acusado de assassinato), antes de o assassino dele o exonerar da culpa matando novamente. Em 23 de outubro de 1981 Stefano Baldi de 26 anos e Susanna Cambi de 24 anos, noivos e prestes a se casar em poucos meses foram baleados e esfaqueados até a morte em um parque nos arredores de Calenzano. A vagina de Cambi foi cortada, de forma semelhante com a de Di Nuccio. Uma pessoa telefonou para a mãe de Cambi anonimamente na manhã após o assassinato, para falar com ela sobre sua filha. Em 19 de junho de 1982 Paolo Mainardi de 22 anos e Antonella Migliorini de 20 anos, noivos que iam se casar muito em breve, apelidados de "Vinavil" (uma marca de cola),por serem inseparáveis foram mortos a tiros no carro de Mainardi, estacionado em uma estrada em Montespertoli. Desta vez, o assassino não mutilou a vítima do sexo feminino. Mainardi (embora tivesse ferimentos graves) ainda estava vivo quando foi encontrado. A polícia e uma ambulância foram chamadas de imediato, mas Mainardi morreu algumas horas depois no hospital. Em 9 de setembro de 1983 Horst Wilhelm Meyer de 24 anos e Jens Uwe Rüsch de24 anos, turistas alemães, foram mortos a tiros em seu Volkswagen Samba Bus, em Galluzzo. Rüsch de longos cabelos loiros e feições pequenas pode ter enganado o assassino fazendo ele pensar que ele era uma fêmea. A polícia achou que se tratava de um caso de amantes homossexuais, mas esse fato nunca foi afirmado. Em 29 de julho de 1984 Claudio Stefanacci de21 anos e Pia Rontini de 18 anos, noivos, foram mortos a tiros e esfaqueados no Fiat Panda de Stefanacci estacionado em uma área de floresta nas proximidades de Vicchio di Mugello. O assassino removeu a vagina e a mama esquerda da menina. Houve relatos de um homem estranho que estava os acompanhando em uma cafeteria algumas horas antes do assassinato. Entre 7 e 8 de setembro de 1985 Jean Michel Kraveichvili de 25 anos e Nadine Mauriot de36 anos, amantes, ambos de Audincourt, França, estavam em um acampamento de férias na Itália. Nadine foi morta a tiros e esfaqueada enquanto dormia em sua pequena barraca, numa área de floresta perto de San Casciano. Jean Michel foi morto a uma curta distância da barraca, enquanto tentava escapar. O cadáver de Nadine foi mutilado. Por essas pessoas serem dois estrangeiros viajando não havia ainda um registro de pessoas desaparecidas até Il Mostro enviar uma carta com insultos, juntamente com um pedaço de peito de Nadine, a Procuradora do Estado, Silvia della Monica, afirmando que um assassinato tinha ocorrido e desafiando as autoridades locais a encontrar as vítimas. Uma pessoa colhendo cogumelos numa área deserta descobriu os corpos de Mauriot e Kraveichvili poucas horas antes da carta chegar na mesa da promotora. Antes dessa seqüência mortal o "monstro" já tinha tido problemas com a lei. En 1951 ele foi condenado por homicídio de um rival no amor (teria se metido com a namorada de Pacciani). Na década de oitenta ele sofreu acusação de abusar sexualmente de suas duas filhas.O julgamento pelos assassinatos começou em Florença, em 1 de novembro de 1994 e terminou com Pacciani pegando 14 prisões perpétuas: uma para cada homicídio, exceto no caso 1968 que permanecia sem provas e muito controverso. No entanto, em 13 de fevereiro de 1996, Pacciani foi absolvido depois de um recurso. Em 12 de dezembro, o Tribunal de Cassação anulou a absolvição e arranjou um novo julgamento. Fora Giovanni Faggi , Mario Vanni e Giancarlo Lotti são os nomes de outros principais suspeitos de participação com Pacciani durante sua farra assassina, em Florença. Eles foram presos pela polícia depois de informações que vieram à luz durante o primeiro julgamento de Pacciani de que os assassinatos não foram cometidos por uma única pessoa, mas feitos por um bando de criminosos. Essas pessoas foram ironicamente apelidadas de "compagni di merende" (ou seja, companheiros de "piquenique") pela imprensa italiana, porque Vanni alegou que ele só participou de um piqueniques na Toscânia. Vanni foi condenado à prisão perpétua, enquanto Lotti recebeu 26 anos. Pacciani não chegou a ir para um novo julgamento, foi encontrado morto em seu quarto, em 1998. Um exame toxicológico revelou que Pacciani tinha tomado drogas que eram contra-indicadas para as doenças que ele sofria, deixando várias dúvidas sobre o que realmente ocorreu. Em 24 de março de 1998, a Corte de Apelações condenou Vanni e Lotti e absolvido Faggi. Mario Vanni nascido em 1.927 era um ex-carteiro de San Casciano, hoje Torsolo, último que morreu dos “companheiros de piquenique”. Acusado de ter participado com Lotti dos assassinatos de casais, removendo partes dos corpos no fetiche. Nunca admitiu qualquer responsabilidade. Em 7 de Julho de 2003, durante uma entrevista na cadeia para seu amigo Nesi, falou de um suposto autor dos assassinatos, citando um "grande homem negro", conhecida como Ulysses (Uli) - identificado posteriormente pelo Tribunal como Robert Parker, estilista afro-americano de pai italiano e mãe americana, abertamente homossexual, nascido em Nova Jersey, em 1954, que morreu de AIDS em 1996, mas a sua precárias descrições tornou estas declarações pouco confiáveis. O processo de apelação durou de 1998 a 2000, antes de ser definitivamente expulso do tribunal, ele gritou: "Viva il Duce, trabalho e liberdade. Retorno, mais cedo ou mais tarde ". Ele morreu em abril 13 de 2009 de causas naturais. Giancarlo Lotti nascido em 1940 era um desempregado, com o apelido de Katanga, ele confessou a participação em alguns dos assassinatos, ocupando o menor papel da turma e sua participação só foi ativa no assassinato de 1983, onde ele teria sido obrigado a matar por Pacciani, Segundo ele, disparou um tiro contra os jovens alemãesi. Sua credibilidade como foi muito questionável, ele admitiu que eta alcoólatra desde a adolescência. Ele tinha um QI bem abaixo do padrão (cerca de 50, ou seja, o nível de uma criança de cerca de 6 anos) e tendências mitomaníacas (tendência para mentir). Suas confissões eram de confiabilidade duvidosa, quando não eram completamente falsas. Foi condenado a 26 anos de prisão mas nunca foi preso, porque era beneficiário do programa especial de proteção a testemunhas. Ele morreu em 2002 devido a câncer de estômago. Existiu um outro elemento chamado Fernando Pucci, desempregado, companheiro de bebida de Lotti, este esteve presente nos dois últimos. Sofria de deficiências mentais e eram 100% inválido, nunca foi julgado pelos crimes e nunca fez admissões significativas.
Biografia Parte 1 Parte 2 Parte 3 Parte 4 Parte 5 Parte 6


O caso foi a inspiração para a criação do romance de Thomas Harris Hannibal, em Florença. Em setembro de 2008, Tom Cruise comprou os direitos para trazer em um futuro próximo uma adaptação cinematográfica do livro Dolci colline di sangue (O Monstro de Florença) Douglas Preston e Mario Spezi. A FOX produziu uma série com 6 episódios de 45 minutos chamada Il mostro di Firenze.

O livro Dolci colline di sangue de Douglas Preston e Mario Spezi levanta sérias dúvidas sobre a culpa de Pacciani como o Monstro.

Um comentário:

  1. Ate agora n consigo entender se eles sao msm o monstro d florença ou nao...pq tem mtas informações difrentes na internet e se eles foram presos em 1993 pq quando vc pesquisa sobre o monstro de florença aparece geralmente como caso n solucionado....

    ResponderExcluir

<