sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Ivan Milat

Ivan Robert Marko Milat é um assassino em série australiano, condenado pelo assassinato de sete mochileiros. Os seus crimes ficaram conhecidos como "Assassinatos dos Mochileiros", ocorridos em New South Wales, Austrália, durante a década de 1990. Os corpos de sete jovens desaparecidos foram encontrados parcialmente enterrados na Floresta Estadual de Belanglo, 15 quilometros a sudoeste da cidade de Berrima, New South Wales. Cinco das vítimas eram mochileiros internacionais que visitavam a Austrália, e dois passageiros eram australianos de Melbourne. Ivan Milat foi condenado pelos assassinatos e está cumprindo sete penas de prisão perpétua. Os "Assassinatos dos Mochileiros" se referem especificamente aos sete assassinatos pelos quais Ivan Milat foi condenado. Há especulações de que não sejam apenas esses assassinatos que foram cometidos por ele, ele pode ter cometido até mesmo um total de trinta e sete assassinatos, se isto for comprovado, Milat passaria a ser o killer mais mortífero na história da Austrália (à frente da Martin Bryant, que matou 35 pessoas no massacre de Port Arthur) e um dos mais prolíficos seriais killers da história.Em 20 de setembro de 1992, um grupo de pesquisadores descobriu um cadáver em decomposição, enquanto visitavam a Floresta Estadual de Belanglo. No dia seguinte, os policiais Roger Gough e Suzanne Roberts descobriram um segundo corpo a 30 metros do primeiro. Os primeiros relatórios da mídia sugeriram que podiam ser os corpos das desaparecidas mochileiras britânicas Caroline Clarke e Joanne Walters, que haviam desaparecido do subúrbio de Kings Cross no interior de Sydney, em Abril de 1992. No entanto, um casal alemão, Gabor Neugebauer e Anja Habschied, também haviam desaparecido da região de Kings Cross algum tempo depois do Natal de 1991, e Schmidl Simone, também da Alemanha, tinha sido dada como desaparecida há mais de um ano. Os corpos também podiam ser de um jovem casal, Everist Deborah e James Gibson, que estava desaparecido desde que deixaram Frankston em 1989. Havia sinais de que eles haviam passado pela Floresta Estadual de Belanglo. A polícia rapidamente confirmou que os corpos eram de Clarke e Walters. Walters tinha sido esfaqueada 9 vezes e Clarke tinha sido baleada várias vezes na cabeça. Apesar de uma minuciosa busca na floresta ao longo dos próximos cinco dias, nenhum outro elemento ou corpos foram encontrados pela polícia. Os investigadores descartaram a possibilidade de novas provas serem descobertas dentro da Floresta Estadual de Belanglo. Em outubro de 1993, um homem local, Bruce Pryor, descobriu um crânio e um osso da coxa em uma parte de difícil acesso na floresta. Ele voltou com a polícia para o local e mais dois corpos foram rapidamente descobertos e identificados como Deborah Everist e James Gibson. A presença do corpo de Gibson em Belanglo era um enigma para os investigadores, porque sua mochila e câmera já tinham sido descobertas pelo lado da estrada em Galston Gorge, nos subúrbios do norte de Sydney quase 100 quilômetros ao norte. Em 1 de novembro de 1993 um crânio foi encontrado em uma clareira na floresta pelo sargento da policia Jeff Trichter. O crânio foi posteriormente identificado como o de Simone Schmidl de Regensburg, Alemanha. Ela tinha sido visto pela última vez pegando carona em 20 de janeiro de 1991. A roupa encontrada na cena do crime não era de Schmidl, mas de outro dos mochileiros desaparecidos, Anja Habschied. Simone Schmidl foi encontrada morta com inúmeras facadas na parte superior do tronco. Os corpos de Habschied e seu namorado Gabor Neugebauer foram encontrados em 3 de Novembro de 1993 em covas rasas a 55 metros de distância. Eles, assim como as outras vítimas, foram baleados ou esfaqueados. Havia aspectos semelhantes em todos os assassinatos. O assassino dedicava evidentemente um tempo considerável para cada uma das vítimas durante e após os assassinatos, os acampamentos das vítimas eram próximos da localidade onde foram encontrados seus corpos e as cápsulas encontradas eram do mesmo calibre em todos os locais. Joanne Walters e Simone Schmidl foram esfaqueadas, enquanto Caroline Clarke tinha sido baleada várias vezes na cabeça e esfaqueado post mortem. Anja Habschied foi decapitada e as outras vítimas apresentavam sinais de estrangulamento e espancamento. Especulou-se que os crimes foram trabalho de vários assassinos, pelo menos dois, em declaração oficial Ivan Milat sugeriu que até sete pessoas estavam envolvidas. Em 13 de Novembro, a polícia recebeu um telefonema de Paul Onions na Grã-Bretanha. Onions tinha sido mochileiro na Austrália anos antes e havia aceitado uma carona ao sul de Sydney de um homem conhecido apenas como "Bill", em 25 de Janeiro de 1990. Ao sul da cidade de Mittagong, New South Wales, Bill puxou uma arma para Onions que conseguiu escapar, acenar para a motorista Joanne Berry que relatou a agressão à polícia local. Onions fez a declaração acompanhado por Berry, que também participou do inquérito, juntamente com a namorada de um homem que trabalhou com Ivan Milat, que achava que ele deveria ser interrogado sobre o caso. Milat rapidamente se tornou um suspeito. A polícia descobriu que ele havia cumprido pena em 1971, acusado de seqüestrar duas mulheres e de estuprar uma delas, essas acusações depois foram retiradas. Foi também descoberto que ele e seu irmão Richard trabalharam juntos em assaltos ao longo da rodovia entre Sydney e Melbourne, que ele possuía uma propriedade nos arredores de Belanglo e tinha vendido um Nissan Patrol com tração nas 4 rodas pouco depois da descoberta dos corpos de Clarke e Walters. Conhecidas também falaram à polícia sobre a obsessão de Milat por armas. Quando a ligação entre Onions e os assassinatos Belanglo foi feito finalmente estabelecida, Onions foi convidado a voar para a Austrália para ajudar na investigação. Em 5 de maio de 1994, Onions identificou Miçat como o homem que tentou matá-lo. Milat foi preso em 22 de Maio de 1994 na sua casa em Cinnebar Street, Eagle Vale, um subúrbio do norte de Campbelltown, New South Wales depois que 50 policiais cercaram o local. As casas pertencentes aos seus irmãos, Richard, Alex, Walter e Bill também foram investigadas ao mesmo tempo por mais de 300 policiais. A busca na casa de Ivan Milat revelou ser um esconderijo de armas, incluindo partes de um rifle calibre. 22, que correspondia ao tipo usado nos assassinatos, além de vestuários, equipamentos de acampamento e câmeras fotográficas pertencentes a várias de suas vítimas. Milat foi intimado a aparecer no tribunal por roubo de armas e cargas em 23 de Maio. Ele não compareceu. Em 30 de Maio, na seqüência das investigações policiais, Milat também foi acusado de assassinato de sete mochileiros. No início de Fevereiro de 1995 Milat ficou em prisão preventiva até junho do mesmo ano. Em março de 1996, o julgamento finalmente iniciou. O julgamento de Milat durou quinze semanas. Sua defesa alegou que, apesar da quantidade de evidências, não havia nenhuma prova de que Ivan Milat era culpado e tentou transferir a culpa para os outros membros da família, especialmente Richard. Em 27 de julho de 1996, o júri considerou Ivan Milat culpado dos assassinatos. Ele também foi condenado por tentativa de homicídio, cárcere privado e assalto a Paul Onions, recebeu 6 anos de por cada. Para os assassinatos de Caroline Clarke, Joanne Walters, Simone Schmidl, Anja Habschied, Gabor Neugebauer, James Gibson e Deborah Everist, Milat foi condenado a uma sentença de prisão perpétua para cada um, com todas as sentenças de execução consecutiva e sem possibilidade de liberdade condicional. Em seu primeiro dia em Maitland Gaol, ele foi espancado por outros presos. Quase um ano depois, ele fez uma tentativa de fuga ao lado do traficante de drogas condenado e ex-vereador Sydney George Savvas. Savvas foi encontrado enforcado em sua cela no dia seguinte e Milat foi transferido para a prisão de super segurança máxima, em Goulburn, New South Wales. Em 26 de janeiro de 2009, Milat cortou seu dedo mindinho com uma faca de plástico, com a intenção de enviar o dedo cortado ao Tribunal Superior. Ele foi levado para o Hospital Goulburn de segurança máxima, no entanto, em 27 de janeiro de 2009, Milat foi devolvido à prisão depois que os médicos decidiram que a cirurgia para recolocar o dedo não era possível. Esta não foi à primeira vez que Milat havia se machucado enquanto esteve na prisão. No passado, ele engoliu lâminas de barbear, grampos e outros objetos metálicos. Atualmente, Milat ainda cumpre pena em New South Wales e se declara inocente de todas as acusações feitas contra ele.

O filme Wolf Creek ( Viagem ao Inferno), baseia-se nesses acontecimentos.

3 comentários:

  1. esse cara éh completamente piscopata! como pode uma frieza dessas?
    já tinha lido sobre ele na revista seleções.
    e me choquei com o fato. vim na internet e vi tudo que eu tinha lido! e até mais.
    esse tipo de gente tem que morrer na cadeia!
    e ainda por cima continuar contestando inocência? er o cúmulo!
    poisé ... er iso aí...
    só Deus pra mudar o ser humano!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. muita crueldade mesmo, será que é vivo esse monstro?

      Excluir

<